Segunda-feira, 22 de Dezembro de 2008
Entrevista de Rui Costa Pinto ao jornal Diabo
«O Governo ficou refém das suas próprias hesitações, omissões e contradições» fotoruicp-1.jpg Com a devida vénia ao jornal DiaboIsabel Guerreiro DIABO — Depois da recente notícia publicada pelo «El Pais», que divulgou um documento secreto que prova que o Governo de Aznar foi informado, em Janeiro de 2002, pela embaixada dos EUA, da passagem por Espanha de aviões transportando prisioneiros acusados de terrorismo para a prisão de Guantánamo — e que, segundo o jornal, outros governos europeus também teriam sido informados, nomeadamente os de Portugal, Turquia e Itália — compreende que o Governo português continue a argumentar com o desconhecimento? RUI COSTA PINTO — Não. Ninguém com boa-fé o compreende. Houve limites que nunca deveriam ter sido ultrapassados. Desde que Diogo Freitas do Amaral abandonou o Ministério dos Negócios Estrangeiros, o Governo ficou refém das suas próprias hesitações, omissões e contradições. Felizmente, o tema tem uma dimensão internacional, a qual lhe confere uma dinâmica que escapa a eventuais comportamentos prepotentes. - Além destas revelações, a que se juntam, entre outras, as suas conclusões no livro recentemente publicado e o relatório da Amnistia Internacional, como classifica o comportamento das autoridades portuguesas em todo este processo? Não são já provas a mais que confirmam o envolvimento de Portugal? - No mínimo, politicamente repreensível. É preciso ter estofo de estadista para assumir a participação e o envolvimento, por acção ou omissão, numa tão grosseira violação de princípios de civilização. Infelizmente, José Sócrates não se compara a José Luis Zapatero ou a Angela Merkel, para citar só alguns dirigentes europeus que tudo estão fazendo para descobrir a verdade. «Acolher detidos em Guantánamo não apaga o que se passou anteriormente» - Quem tem estado a ocultar factos e a não dizer toda a verdade? - Quem tem o dever institucional de revelar tudo o que se passou, ou seja, os órgão do Estado. O Estado não pode nem deve ser confundido com uma qualquer maioria política conjuntural. Nem pode estar à mercê da dúvida sobre a actuação dos Serviços de Informações. Constato também com tristeza o silêncio de anteriores primeirosministros (António Guterres, Durão Barroso e Pedro Santana Lopes) e do anterior e actual Presidente da República (Jorge Sampaio e Aníbal Cavaco Silva). - De onde tem partido a maior parte das movimentações para encobrir a verdade? - O Governo de José Sócrates só admitiu uma parte dos factos depois de Ana Gomes, Eurodeputada socialista, ter revelado dados que o próprio Governo não forneceu em devido tempo. A recente intenção de acolher detidos em Guantánamo (a confirmar-se) é louvável, mas não apaga o que se passou anteriormente. Nunca imaginei assistir a reacções governamentais a reboque de revelações feitas por deputados, jornalistas e governantes de países estrangeiros. Certamente, não é por acaso que a maioria socialista chumbou os pedidos de constituição de uma Comissão Parlamentar de Inquérito. Aliás, chegou a ser penoso ter de assistir a algumas declarações, sobre a matéria, de Augusto Santos Silva, que me habituei, em tempos, a ver respeitado na generalidade dos meios de esquerda. - Mas por que motivo os factos não são politicamente assumidos? Por cobardia, por subserviência, por falta de dignidade política? - É uma pergunta que continuo a fazer a mim mesmo. Cheguei a acreditar que a arrogância política do actual primeiro-ministro, — para não falar da sua inexperiência —, poderia ser uma explicação plausível. Hoje, acho que tem de haver outra razão. Há uns anos, em finais dos anos 90, o País agitou-se por causa da revelação de eventuais ligações de portugueses ao KGB. Hoje, outras ligações à CIA parecem não ter a mesma importância para o poder e para alguns Media. «Há muitos anos que estou habituado a ameaças mais ou menos veladas» - Qual o preço que pagou por ter denunciado o transporte de presos ilegais através do território português? - Um preço elevado, em termos profissionais e pessoais. Mais do que ter ficado desempregado, depois de ter tentado publicar o relato do transporte de presos ilegais através do território português, o que mais me custou foi ter de interromper o que mais gostava de fazer: Jornalismo. - Já foi alvo de ameaças? - Há muitos anos que estou habituado a ameaças mais ou menos veladas. Para mim, sempre foram um estímulo para trabalhar mais e melhor. - Mantém o que disse sobre o presidente da Impresa — «de que o dr. Francisco Pinto Balsemão deu cobertura ao que se passou» —? - É público que assinei a rescisão do meu contrato de trabalho (na «Visão») depois de não ter podido publicar uma reportagem que fiz nos Açores, em que me foi relatado, entre outros assuntos, o avistamento de prisioneiros agrilhoados nas Lajes. Algumas das peripécias da investigação estão reunidas em livro, — «Voos 'Secretos' CIA — Nos Bastidores da Vergonha», que está disponível, em exclusivo, através do site da minha editora (www.rcpedicoes. com). Em relação ao que disse e está escrito sobre Francisco Pinto Balsemão não tenho nada a acrescentar nem a retirar. Não fiz, nem faço juízos de valor. Ao fim de vinte anos de Jornalismo, estou habituado a ponderar cada uma das minhas palavras. - No «DN» também acabou por ser alvo de censura? - O centenário «Diário de Notícias» pediu-me uma entrevista e depois não a publicou. Porventura, a direcção editorial do matutino não gostou de algumas respostas. Julguei que podia responder responsável e livremente, mesmo em relação a José Sócrates. Continuo a ter o mesmo respeito pelo título. Os jornais são mais do que os seus proprietários, administradores e directores. Permita-me que remeta uma resposta mais clara, novamente, para o meu livro e para o excelente Prefácio, assinado por Jorge Ferreira, advogado, e um grande amigo. «A subserviência, o arbítrio e a hipocrisia» - Nos «bastidores dos media», o que mais o indignou em toda esta história? - A subserviência, o arbítrio e a hipocrisia. - A ERC reuniu com o Rui Costa Pinto no início do ano passado. O que resultou dessa reunião? - Fui recebido pelo Conselho Regulador da ERC, no dia 31 de Janeiro de 2007. Coloquei em cima da mesa uma questão simples: o que deve um Jornalista fazer perante um decisão editorial que o impede de publicar relatos indiciadores de crimes e abandona fontes de informação? Fiquei à espera de uma resposta. Até hoje... Se calhar, os elementos da ERC têm estado muito ocupados com a cronometragem dos noticiários e com as notícias sobre a licenciatura do primeiro-ministro. - Entregou a sua investigação à PGR. Que expectativas tem sobre a conclusão do inquérito? - Pela primeira vez, na minha vida profissional, senti a necessidade de participar ao Procurador- Geral da República uma série de indícios e factos. Tive de proteger as minhas fontes de informação. Fernando Pinto Monteiro teve a coragem de me receber e de me ouvir. Como cidadão, nunca o esquecerei. Mas também não esqueço os sucessivos adiamentos das conclusões do Ministério Público (MP) em relação aos voos da CIA e ao transporte ilegal de prisioneiros através de Portugal. No início do ano de 2008, a conclusão do Inquérito era iminente. Uns meses depois, passou a estar adiada sine die por causa de diversas informações que chegaram a público. É desprestigiante e não augura nada de credível. A investigação do MP não se pode limitar ao discurso da falta de meios e a uma dúzia de diligências que esbarram no Segredo de Estado. A credibilidade que ainda resta à Justiça portuguesa não resiste muito mais. - A única forma que encontrou para publicar as suas conclusões da investigação foi abrir a sua própria editora? - Os tempos estão a mudar. A Imprensa já perdeu há muito tempo o monopólio da Informação. Hoje, os cidadãos têm alternativas e outros mecanismos de intervenção. Há políticos e chefias editoriais que ainda não o perceberam. É preciso não ter medo do poder, mas também é preciso ter igual atitude em relação a uma determinada Imprensa que se julga à margem do escrutínio. Os critérios jornalísticos não podem ser invocados para justificar decisões opacas. Um verdadeiro Jornalista nem tem receio de ser escrutinado, nem tenta abafar quem o escrutina. Tem de haver lisura editorial e humildade profissional. - Abandonou o jornalismo? - Não abandonei o Jornalismo. Nunca serei capaz de o fazer. Já vi passar vários primeiros-ministros, ministros e 'patrões' da Comunicação Social... - Há alguns factos de que teve conhecimento e que acabou por não publicar no seu livro? - Vários. Não tenha quaisquer dúvidas que publicarei mais elementos, a partir do momento em que os considere de interesse público. Seja eu o autor ou o editor

tags:

publicado por João Carvalho Fernandes às 11:00
link do post | favorito

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



mais sobre mim
pesquisar
 
Fevereiro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28


posts recentes

CHRIS GEOFFROY - A última...

BOLIVAR LUSÍADAS PROTAGON...

ANTÓNIO MEXIA - É SÓ COIN...

PROGRESSIVIDADE FISCAL

MENINAS E MENINOS DE OURO

CÂNTICO NEGRO - JOSÉ RÉGI...

ANTÓNIO COSTA, DEMITA-SE!

DESERTIFICAÇÃO...

MONUMENTO DE HOMENAGEM AO...

O ASTÉRIX QUE SE CUIDE!

Banner Publipt
arquivos

Fevereiro 2019

Junho 2018

Abril 2018

Novembro 2017

Setembro 2017

Junho 2017

Abril 2017

Março 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Agosto 2015

Abril 2015

Março 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Setembro 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Janeiro 2004

Dezembro 2003

Novembro 2003

Outubro 2003

Setembro 2003

Agosto 2003

Julho 2003

Junho 2003

Maio 2003

Abril 2003

Março 2003

tags

todas as tags

favoritos

Dos sítios que valem a pe...

Fazer um cruzeiro: yay ou...

Hoje vou contar-vos uma h...

Boa Noite e Bom Descanso

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds