Terça-feira, 13 de Dezembro de 2011
RAUL RIVERO: El viaje del humor y la tragedia
raul_rivero_01.jpgVia: ElNuevoHaraldMadrid – La Cuba real de la calle, la pobreza, la oposición pacífica, los presos políticos, las cárceles, las franjas marginales y la esperanza sitiada por el estado totalitario, circula viva y cercana este mes en España en las 350 páginas de prosa del libro Emigrar al patíbulo y otras crónicas de horror y de humor, del periodista Ricardo González Alfonso.Es una obra dividida en ocho capítulos que incluye una selección de la labor del escritor cubano tanto en sus tiempos como comunicador independiente en La Habana, como en los siete años que pasó en prisión (lo habían condenado a 20) en los que, al tiempo que adelantaba sus relatos testimoniales, preparó dos libros de poemas. Editado por Aduana Vieja, el libro tiene un prólogo vigoroso y esencial firmado por el periodista español Vicente Botín, el experimentado corresponsal de televisión en Cuba que enfocó la realidad cubana con lucidez, profesionalismo y honestidad. Emigrar al patíbulo y otras crónicas de horror y de humor está llamado a convertirse en una obra de referencia para conocer la vida que los panfletos gubernamentales tratan de ocultar. Y, ahora mismo, en un repaso por sus hojas, se puede constatar que muchas de las historias que González Alfonso ha seleccionado para su antología, tienen una vigencia absoluta porque aquella sociedad vive paralizada, como diría el poeta, ante un espejo roto.Hay, por otra parte, crónicas de primera escritas en su periodo de corresponsal de Reporteros sin Fronteras, comentarios políticos y análisis agudos de ciertos momentos del pasado y hay otras estremecedoras y fuertes sufridas en la cárcel, como la que le da título al libro y retrata los últimos minutos de la vida del joven Lorenzo Copello Castillo, fusilado en la primavera de 2003.González Alfonso le entra a esa historia con un párrafo sobre el que habrá de volver siempre a la hora de hablar del periodismo alternativo cubano: “Convivir en un calabozo con un condenado a muerte es intrincarse en el laberinto de una vida ajena que comienza a pertenecernos, a dolernos. Cuando abrieron la puerta de la celda tapiada y vi por primera vez a Lorenzo Enrique Copello Castillo, no imaginé que lo fusilarían en una semana”.El tono general del libro consigue un equilibrio entre esos puntos dramáticos y el humor, la ironía que el autor utiliza con desenvoltura en casi todas sus piezas. Ese amasiato explosivo le da su carácter al libro y es el que obliga a Botín a convocar a Groucho Marx para decir en un momento: “El escritor cubano y el cómico estadounidense recorren junto los nueve círculos del infierno cubano y fruto de ese viaje es esta obra que puede parecer una broma feroz y fúnebre, pero que es la mejor forma de describir una realidad que es a la vez cruel y ridícula”.Estamos frente a la obra de un hombre que disfruta y padece la temperatura de las palabras. Alguien que la usa con altura para narrar la historia de los días como periodista. Y para dejar el recuerdo, como poeta, de algunos episodios sin horarios.Invito a una lectura de Emigrar al patíbulo y otras crónicas de humor y de horror.

tags:

publicado por João Carvalho Fernandes às 08:00
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Fevereiro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28


posts recentes

CHRIS GEOFFROY - A última...

BOLIVAR LUSÍADAS PROTAGON...

ANTÓNIO MEXIA - É SÓ COIN...

PROGRESSIVIDADE FISCAL

MENINAS E MENINOS DE OURO

CÂNTICO NEGRO - JOSÉ RÉGI...

ANTÓNIO COSTA, DEMITA-SE!

DESERTIFICAÇÃO...

MONUMENTO DE HOMENAGEM AO...

O ASTÉRIX QUE SE CUIDE!

Banner Publipt
arquivos

Fevereiro 2019

Junho 2018

Abril 2018

Novembro 2017

Setembro 2017

Junho 2017

Abril 2017

Março 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Agosto 2015

Abril 2015

Março 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Setembro 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Janeiro 2004

Dezembro 2003

Novembro 2003

Outubro 2003

Setembro 2003

Agosto 2003

Julho 2003

Junho 2003

Maio 2003

Abril 2003

Março 2003

tags

todas as tags

favoritos

Dos sítios que valem a pe...

Fazer um cruzeiro: yay ou...

Hoje vou contar-vos uma h...

Boa Noite e Bom Descanso

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds