Quarta-feira, 6 de Abril de 2005
FOLHAS DE ROSA - FLORBELA ESPANCA
Todas as prendas que me deste, um dia, Guardei-as, meu encanto, quase a medo, E quando a noite espreita o pôr-do-sol Eu vou falar com elas em segredo ... E falo-lhes d'amores e de ilusões, Choro e rio com elas, mansamente... Pouco a pouco o perfume do outrora Flutua em volta delas, docemente ... Pelo copinho de cristal e pata Bebo uma saudade estranha e vaga, Uma saudade imensa e infinita Que triste me deslumbra e m'embriaga O espelho de prata cinzelada, A doce oferta que eu amava tanto, Que refletia outrora tantos risos, E agora reflete apenas pranto, E o colar de pedras preciosas, De lágrimas e estrelas constelado, Resumem em seus brilhos o que tenho De vago e de feliz no meu passado... Mas de todas as prendas, a mais rara, Aquela que mal fala à fantasia, São as folhas daquela rosa branca Que a meus pés desfolhaste, aquele dia.... Florbela Espanca

tags:

publicado por João Carvalho Fernandes às 08:30
link do post | comentar | favorito

Terça-feira, 5 de Abril de 2005
O VENTO LÁ FORA e BOMBA INTELIGENTE
Não se pode ir de férias sem net...Ia deixando escapar os aniversários destes dois blogs!Ao Paulo Querido e à Charlotte, os meus parabéns e que nos continuem a deliciar com as suas prosas.

tags:

publicado por João Carvalho Fernandes às 21:08
link do post | comentar | favorito

PENSAMENTO DO DIA
Enviado por Frederico Benjamim:Um cigarro encurta a vida em 2 minutos Uma garrafa de álcool encurta a vida em 4 minutosUm dia de trabalho encurta a vida em 8 HORAS!

tags:

publicado por João Carvalho Fernandes às 18:30
link do post | comentar | favorito

ZOO DE LISBOA
ZOO13.jpgJARDIM ZOOLÓGICO DE LISBOA - 2004

tags:

publicado por João Carvalho Fernandes às 08:40
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Segunda-feira, 4 de Abril de 2005
CUBA - DISIDENTE RAÚL RIVERO ENCUENTRA DE NUEVO EM MADRID LA LIBERTAD
raulrivero03.jpgVia: CUBANETPor Rafael Molina Madrid, 3 abr (EFE).- El periodista y escritor cubano Raúl Rivero, recién llegado a Madrid tras haber permanecido encarcelado dos años en Cuba, asegura en una entrevista con EFE que "está descubriendo de nuevo el mundo" y que ha vuelto a "tocar la libertad". "Estoy con el sentimiento de deslumbramiento por ver Madrid, por tocar la libertad y por haber sido recibido aquí con tanta ternura, con tanto afecto", dijo el disidente cubano, que fue condenado en 2003 por el régimen de Fidel Castro a 20 años de cárcel por un delito de conspiración con EEUU. Rivero, que llevaba sin salir de la isla más de veinte años, señaló que tratará de hacer en España, donde piensa instalarse, "lo mismo que hice en Cuba durante los últimos quince años, es decir, trabajar en el periodismo, en la poesía, pero con sosiego". Entre sus planes más inmediatos figura iniciar alguna colaboración en medios españoles, participar en varios festivales literarios y publicar un libro. "En este terreno, en el del periodismo y la literatura, tengo todas las posibilidades y todo el apoyo", agregó. Pero en su pensamiento también están los 61 anticastristas de los 75 que fueron encarcelados junto a él hace dos años y que aún están en prisión por diversas razones en Cuba, veinte de ellos periodistas y el resto integrantes, en su mayor parte, del grupo disidente que dirige Osvaldo Payá. "Salgo con el compromiso de ayudar a esas personas, que son amigas mías y que están repartidas en diversas cárceles del país. Me he propuesto trabajar por ellos de una forma profesional, sin escándalos, con respeto, con los amigos que tengo en España y en otros países de Europa", subrayó "Espero promover la libertad de esas personas y establecer un movimiento solidario con sus familias, aunque de una forma discreta y sin politizar el asunto, por pura solidaridad", añadió. Rivero recordó su primer año de cárcel en Cuba, "once meses muy duros, encerrado en una celda de castigo en condiciones críticas, enfermo y sin ver el sol", narró. Pero también reconoció que las autoridades cubanas siempre le dieron un trato respetuoso y no fue tratado con violencia física. Cuando habla de su liberación dice que siente un "agradecimiento idéntico y paritario" hacia el anterior Gobierno español que presidió José María Aznar, y hacia el actual del socialista José Luis Rodríguez Zapatero. Aznar "hizo una campaña muy vigorosa para promover mi excarcelamiento a través de la fundación hispano cubana, difundieron mis libros y mis textos en España, y citaba mi caso cada vez que participaba en un acto internacional", en el que se hablaba de Cuba. Pero también, el cambio de política con respecto a Cuba que ha promovido Rodríguez Zapatero, "ha supuesto una disminución de las tensiones, la eliminación de la crispación entre ambos países, con la promoción del diálogo, lo que también ha facilitado que yo pudiera salir de allí". Rivero cree, no obstante, que Rodríguez Zapatero, con quien mantuvo ayer una entrevista, defiende la "misma actitud enérgica" con respecto al régimen de Fidel Castro que su antecesor en el cargo, pero ha promovido un acercamiento a Cuba que está dando resultados positivos. "Esta política es quizás más idónea, porque el régimen cubano es de alguna manera 'machista', se produce con mucha violencia verbal y con mucha energía contra EEUU o contra cualquiera que se le oponga y, con ese mismo lenguaje, no se le puede combatir", señaló el periodista en otro momento de la entrevista. "Tienes que llegar a Cuba, como mínimo, como amigo, como una persona que quiere un acercamiento normal, esa es la única manera de conseguir algo del régimen de Castro, porque la confrontación no sirve", reiteró. Rivero está "esperanzado" con el hecho de que la nueva política que el Gobierno de Rodríguez Zapatero promueve en Europa con respecto a Cuba "consiga que salga más gente de la cárcel". Sobre el futuro de Cuba sin Castro, el disidente aseguró que se "instalará una especie de fidelismo durante un tiempo, porque las estructuras del poder son muy cerradas y se dejarán las cosas muy atadas para que haya continuidad". Sin embargo, en opinión de Rivero, poco a poco se irá resquebrajando esa unidad dentro del poder, en el que ya hay algunas disensiones, y se pasará a un régimen más aperturista. "Dentro del poder, hay posiciones muy duras y estrictas, y otras no tanto, que piensan que la sociedad está cambiando y este tipo de situaciones tendrán que aflorar cuando ya no esté Fidel", concluyó el escritor, quien tiene permiso de las autoridades de Cuba para permanecer en España dos años.

tags:

publicado por João Carvalho Fernandes às 13:00
link do post | comentar | favorito

Sábado, 2 de Abril de 2005
JOÃO PAULO II - 1920 - 2005
papa3.jpgMorreu um homem que mudou a face do mundo.Foi um profundo defensor da Liberdade e da Democracia. Contribuiu muito com as suas posições para a queda do Muro de Berlim e do comunismo.Quebrou barreiras marcantes, tendo levado o diálogo com outras religiões a pontos nunca antes imaginados.Mostrou na fase final do seu pontificado que o sofrimento tem significado. Obrigou uma sociedade que para além de evitar esse sofrimento o esconde quando ocorre, a encará-lo de frente. Foi um encorajamento para todos os idosos e doentes.Paz à sua alma!

tags:

publicado por João Carvalho Fernandes às 23:16
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

PEDIDO DE DESCULPAS
Um pedido de desculpas ao Prof. Paulo Ferreira da Cunha a quem imputei erradamente o poema publicado no passado dia 29. O verdadeiro autor é Paulo F. Cunha e nada tem a ver com o "nosso" Paulo Ferreira da Cunha. Erros de quem prepara um pouco à pressa uma semana inteira do blog, para ir de férias...


publicado por João Carvalho Fernandes às 01:00
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 1 de Abril de 2005
JOÃO PAULO II
Em jeito de homenagem, repesco um texto aqui escrito há algum tempo:NÃO TENHAIS MEDO!Com estas palavras , proferidas na sua primeira visita à Polónia, em 1978, como sumo pontífice, o Papa João Paulo II deu o mote para a mudança que viria a ocorrer mais tarde em todo o bloco soviético.Essa visita, deu um empurrão decisivo ao Solidarność e, a prazo, contribuiu para a queda do comunismo na Polónia e no resto da Europa.Só por isto os seus 25 anos à frente da Igreja Católica já teriam valido a pena.Mas houve mais, muito mais, como o diálogo com outras religiões, mais de uma dúzia de encíclicas (de elevada qualidade), a missão pastoral levada a quase todos os cantos do globo (e o que as viagens do Papa fizeram pela Igreja...) e a renovação doutrinal ocorrida (mas com firmeza!).Destaco a encíclica "Laborem exercens", de 1981, transcrevendo um excerto:I. INTRODUÇÃO1. O trabalho humano a noventa anos da « Rerum Novarum »Dado que a 15 de Maio do corrente ano se completaram noventa anos da data da publicação — que se ficou a dever ao grande Sumo Pontífice da « questão social », Leão XIII — daquela Encíclica de importância decisiva, que começa com as palavras Rerum Novarum, eu desejo dedicar o presente documento exactamente ao trabalho humano; e desejo mais ainda dedicá-lo ao homem, visto no amplo contexto dessa realidade que é o trabalho. Efectivamente, conforme tive ocasião de dizer na Encíclica Redemptor Hominis, publicada nos inícios da minha missão de serviço na Sede Romana de São Pedro, se o homem « é a primeira e fundamental via da Igreja », e isso precisamente sobre a base do imperscrutável mistério da Redenção de Cristo, então é necessário retornar incessantemente a esta via e prossegui-la sempre de novo, segundo os diversos aspectos, nos quais ela nos vai desvelando toda a riqueza e, ao mesmo tempo, tudo o que de árduo há na existência humana sobre a terra.O trabalho é um desses aspectos, perene e fundamental e sempre com actualidade, de tal sorte que exige constantemente renovada atenção e decidido testemunho. Com efeito, surgem sempre novas interrogações e novos problemas, nascem novas esperanças, como também motivos de temor e ameaças, ligados com esta dimensão fundamental da existência humana, pela qual é construída cada dia a vida do homem, da qual esta recebe a própria dignidade específica, mas na qual está contido, ao mesmo tempo, o parâmetro constante dos esforços humanos, do sofrimento, bem como dos danos e das injustiças que podem impregnar profundamente a vida social no interior de cada uma das nações e no plano internacional. Se é verdade que o homem se sustenta com o pão granjeado pelo trabalho das suas mãos — e isto equivale a dizer, não apenas com aquele pão quotidiano mediante o qual se mantém vivo o seu corpo, mas também com o pão da ciência e do progresso, da civilização e da cultura — então é igualmente verdade que ele se alimenta deste pão com o suor do rosto; isto é, não só com os esforços e canseiras pessoais, mas também no meio de muitas tensões, conflitos e crises que, em relação com a realidade do trabalho, perturbam a vida de cada uma das sociedades e mesmo da inteira humanidade.Celebramos o nonagésimo aniversário da Encíclica Rerum Novarum em vésperas de novos adiantamentos nas condições tecnológicas, económicas e políticas, o que — na opinião de muitos peritos — irá influir no mundo do trabalho e da produção, em não menor escala do que o fez a revolução industrial do século passado. São vários os factores que se revestem de alcance geral, como sejam: a introdução generalizada da automação em muitos campos da produção; o aumento do custo da energia e das matérias de base; a crescente tomada de consciência de que é limitado o património natural e do seu insuportável inquinamento; e o virem à ribalta, no cenário político, povos que, depois de séculos de sujeição, reclamam o seu legítimo lugar no concerto das nações e nas decisões internacionais. Estas novas condições e exigências irão requerer uma reordenação e um novo ajustamento das estruturas da economia hodierna, bem como da distribuição do trabalho. E tais mudanças poderão talvez vir a significar, infelizmente, para milhões de trabalhadores qualificados o desemprego, pelo menos temporário, ou a necessidade de um novo período de adestramento; irão comportar, com muita probabilidade, uma diminuição ou um crescimento menos rápido do bem-estar material para os países mais desenvolvidos; mas poderão também vir a proporcionar alívio e esperança para milhões de homens que hoje vivem em condições de vergonhosa e indigna miséria.Não compete à Igreja analisar cientificamente as possíveis consequências de tais mutações para a convivência humana. A Igreja, porém, considera sua tarefa fazer com que sejam sempre tidos presentes a dignidade e os direitos dos homens do trabalho, estigmatizar as situações em que são violados e contribuir para orientar as aludidas mutações, para que se torne realidade um progresso autêntico do homem e da sociedade.Encíclica completa em:Laborem exercens

tags:

publicado por João Carvalho Fernandes às 13:00
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Fevereiro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28


posts recentes

CHRIS GEOFFROY - A última...

BOLIVAR LUSÍADAS PROTAGON...

ANTÓNIO MEXIA - É SÓ COIN...

PROGRESSIVIDADE FISCAL

MENINAS E MENINOS DE OURO

CÂNTICO NEGRO - JOSÉ RÉGI...

ANTÓNIO COSTA, DEMITA-SE!

DESERTIFICAÇÃO...

MONUMENTO DE HOMENAGEM AO...

O ASTÉRIX QUE SE CUIDE!

Banner Publipt
arquivos

Fevereiro 2019

Junho 2018

Abril 2018

Novembro 2017

Setembro 2017

Junho 2017

Abril 2017

Março 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Agosto 2015

Abril 2015

Março 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Setembro 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Janeiro 2004

Dezembro 2003

Novembro 2003

Outubro 2003

Setembro 2003

Agosto 2003

Julho 2003

Junho 2003

Maio 2003

Abril 2003

Março 2003

tags

todas as tags

favoritos

Dos sítios que valem a pe...

Fazer um cruzeiro: yay ou...

Hoje vou contar-vos uma h...

Boa Noite e Bom Descanso

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds