Sexta-feira, 5 de Janeiro de 2007
SORRY.....
Sem rede em casa e com muito trabalho no emprego....Quando for possível, regresso....


publicado por João Carvalho Fernandes às 15:03
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Quinta-feira, 4 de Janeiro de 2007
MEMÓRIA VIRTUAL, CARREIRA DA ÍNDIA
O Memória Virtual passou a ter site próprio.Memória VirtualE entretanto o Leonel Vicente lançou um novo blog: Carreira da ÍndiaReproduzo as suas próprias palavras: O blogue Carreira da Índia pretende “reviver” um pouco da História dos Descobrimentos, a par da recuperação de algumas páginas da chamada “Literatura de Viagens”.

tags:

publicado por João Carvalho Fernandes às 16:00
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

ATRIBULAÇÕES DE UM CIDADÃO NO PAÍS DA BUROCRACIA (VI)
Quase um mês e meio depois da aquisição do carro, continua a não haver livrete...E portanto também ainda não há via verde....E continua a cena... Duas portagens este fim-de-semana. Uma vez classe 2 e uma vez classe 1.Acumulado: 13 portagens - 5 vezes classe 1, 8 vezes classe 2!

tags:

publicado por João Carvalho Fernandes às 11:00
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Quarta-feira, 3 de Janeiro de 2007
RETRATO - VITORINO NEMÉSIO
Cruel como os Assírios,Lânguido como os Persas,Entre estrelas e círiosCristão só nas conversas.Árabe no sossego,Africano no ardor;No corpo, Grego, Grego!Homem, seja onde for.Romano na ambição,Oriental no ardilLatino na paixão,Europeu por subtil:Homem sou, homem só(Pascal: "nem anjo nem bruto"):Cristãmente, do póMe levante impoluto.Vitorino Nemésio

tags:

publicado por João Carvalho Fernandes às 11:00
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Terça-feira, 2 de Janeiro de 2007
CUBA: LA PRIMERA FAMILIA
Via: La Nueva Cubala-no-sagrada-familia.jpgEn ausencia de Fidel Castro, Cuba continúa siendo un íntimo y cerrado negocio familiar. Una decena y un poco más de influyentes familias lo poseen todo. A la cabeza de la primera familia, quedó Raúl Castro. Sobre este particular, he escuchado a muchas personas referirse a la condición sentimental del general de ejército y a sus profundos sentimientos filiales. Esto serviría como contrapeso al generalizado consenso sobre la alegada frialdad deshumanizada del Comandante. Algo mejor, aunque aun muy insatisfactorio. No es halagador vivir bajo el supuesto de que se ha mejorado porque el nuevo dictador es sentimental y buen padre de familia. Volviendo al asunto de las familias, el último congreso de la Federación Estudiantil Universitaria (FEU) fue una velada exposición de la nueva situación. Se rumora con insistencia una supuesta relación filial entre el primer secretario de la Unión de Jóvenes Comunistas (UJC) y el general de ejército Raúl Castro. Por otra parte, nadie duda que el presidente de la FEU, el delfín Lage Codorniú, tenga asegurado su lugar en el casting político por venir. Será cuando pierda el cabello. Problema de tiempo… y familia. El último congreso de la FEU fue casi un asunto de familia. Por otra parte, el país se encuentra parcelado para usufructo de estos selectos clanes. Luego que Forbes destapara los millones de la curia castrista, sobre esto, queda poco por decir. Aunque sobran los que dentro y fuera de Cuba se desgastan en teorizaciones y razones políticas, la única razón que sostiene el status quo actual es la inquietud de las familias del poder, por su futuro y el futuro de sus intereses. La primera familia no ve claro su futuro, las segundas, las terceras y el resto, tampoco. El entramado de poder en Cuba permanece intacto desde hace varias décadas. Luego que los afeites cosméticos marxistas cedieron a la presión que representa un mundo que se hace pequeño y más interdependiente, se vieron obligados a dar paso a la dolarización y los mercados. Crearon nuevos amarres y nuevas cadenas. Los negocios corporativos conocieron gerentes y empresarios salidos de cuarteles y antros represivos. Todas las oportunidades y garantías, de una forma u otra, quedaron en sus manos. Tanto la primera como el resto de las familias del poder en Cuba conocen el pragmatismo que requiere la supervivencia básica. Por el momento, son dos sus principios básicos. El primero no autorizar reformas de carácter político, el segundo no permitir que se organice una oposición coherente, que sea alternativa válida de poder político, con una sociedad civil que la respalde. En relación con las reformas, aprendieron de ellas todo lo que consideran necesario de las experiencias de Europa del Este. Están seguros de que si aflojan el dogal del pueblo, no podrán apretarlo más. Consideran a las reformas, el principio del fín de su imperio absoluto. No piensan ni por un instante someterse a la prueba que resultó fatal para los sandinistas en Nicaragua y para Pinochet en Chile. La primera familia deberá borrar toda referencia pública a sus pocos proletarios millones. Negociar con los norteamericanos el cierre de Radio y Televisión Martí es esencial. A cambio, pueden ser liberados algunos o quizás todos los prisioneros de conciencia. Lo demás sería sólo más de lo mismo: Mantener desunida e irrelevante a la oposición y silenciar a la prensa independiente de Cuba. Esto sin prisiones y presiones ostensibles. En medios políticos oficiales se especula con eso. En el momento de la verdad, cuentan con que los yanquis se darán por satisfechos si reciben garantías serias en relación a una emigración controlada que se reduzca progresivamente. Esto deberá dar paso a la eliminación del presidio político. La nueva situación mantendría más de un status quo: Primero, la industria anti castrista continuaría moliendo. Segundo, podrá dársele seguimiento indefinido a la defensa de una soberanía nacional, alegadamente amenazada por una "mafia anexionista", con amplios e ilimitados recursos. Todo claro está, más asordinado, más light, menos antiimperialista y más a tono con un background suave de cuerdas y tumbadoras, en vez de los platillos y redoblantes de sudorosas marchas combatientes guerreras. Al general Raúl Castro le disgustan las peroratas y los espectáculos mediáticos. Le gustan la institucionalidad y los órganos colegiados. Fue el más ortodoxamente soviético de los militares cubanos. Hoy día está a la cabeza de la familia y debe hacerla evolucionar a formas superiores de legitimidad política. Curiosamente, algunos creen que al general Castro le agrada el rol de ser quien firme el certificado de defunción para la dinastía fundada por su hermano. Esto no es necesariamente así. Aspira a legitimidad y continuidad institucional. Para ello, bien vale la pena desembarazarse de la primogenitura revolucionaria. La cederá a Hugo Chávez que la llevará con toda elegancia, como una medallita más, de su traje polichinela bolivariano de camuflaje. Nuestro tirano, castrense, martiano, filial y sentimental, aspira a disfrutar de paz en familia y a pelear sus gallos los domingos. Esto, sin disidentes ni exilados molestos, sin demandas altisonantes de libertad política y por supuesto, sin tanta enemistad con el vecino del norte. Lenta y organizadamente se dirige hacia su objetivo. Se impone estar alertas.Juan González FeblesLa HabanaCubanet Infosearch: Máximo TomásDept. de Investigaciones La Nueva CubaEnero 1, 2007

tags:

publicado por João Carvalho Fernandes às 10:00
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Segunda-feira, 1 de Janeiro de 2007
É SACAR, É SACAR!
Mais uma brilhante decisão deste governo, empenhado em chupar aqueles que pouco têm, até ao tutano!Pesca já tem normas e paga licençapescalinha.jpgvia: Jornal de NotíciasEduarda Ferreira, Jesus Zing, Raquel IsidroA partir de hoje, os amadores da pesca no litoral e águas costeiras têm a sua actividade de lazer regulamentada e passam a pagar licença. Esta abrangia até agora apenas os pescadores das águas interiores e a lacuna na regulamentação era sentida não só pelos praticantes da arte nos tempos livres, como pelos profissionais, que apontavam abusos nas capturas e entrada de peixe em circuitos de venda paralelos. O Governo legislou sobre a matéria, através da portaria 868/2006 de 29 de Agosto. Algumas críticas consideram-na muito restritiva para os verdadeiros praticantes da pesca lúdica, nomeadamente quanto aos locais autorizados.O exercício da pesca apeada, submarina e de embarcação está sujeito, a partir de hoje, a um regime de licenças de custo variável consoante o seu período de validade e o número de capitanias abrangidas. Para a pesca de embarcação, as autorizações podem ser obtidas para apenas um dia, mas nas restantes modalidades as licenças serão válidas por períodos mensais, anuais ou trienais. O leque de escolhas e de aquisição passa a estar disponível no sistema multibanco, mas há também a hipótese de os interessados comprarem a licença nas delegações das direcções regionais de Agricultura. Uma licença válida para a pesca apeada por um ano, em três capitanias, custa seis euros e uma trienal tem o valor de 15 euros. O valor das licenças reverte para o Fundo de Compensação Salarial dos Profissionais da Pesca.Uma das motivações oficiais para a regulamentação da pesca lúdica foi a do registo de situações em que a actividade camuflava volumes de capturas susceptíveis de competir com a actividade profissional da pesca. Agora, a portaria estabelece um peso máximo de dez quilos diários por pescador, sem contar com o exemplar maior. No caso dos crustáceos, o limite baixa para dois quilos e em relação aos percebes, para meio quilo. Na captura a bordo de uma embarcação de recreio, o limite cifra-se nos 25 quilos por três ou mais pescadores. As coimas aplicáveis a quem contrarie o estabelecido variam entre 250 e 2.493 euros.Algumas das restrições mais significativas têm a ver com os sítios para a pesca lúdica apeada. Esta não pode ser exercida em barras e embocaduras, canais de acesso e canais estreitos em portos. Também é vedada em portos de pesca, marinas, praias concessionadas (durante a época balnear), bem como a menos de 100 metros de docas, portos de abrigo, embarcadouros, estaleiros e instalações de aquicultura. Proibido fica também lançar o anzol a menos de 100 metros de qualquer esgoto. Por outro lado, os pescadores ficam obrigados a guardar entre eles uma distância mínima de dez metros, podendo o primeiro a chegar conceder uma aproximação. Algumas destas restrições levam pescadores a considerar que poucos lugares lhes restarão livres e que mais gente vai procurar arribas e outros lugares perigosos. Ora, a argumentação oficial é a de que a portaria procura estabelecer mais regras de segurança e também de higiene para os muitos milhares de praticantes da pesca lúdica em Portugal. Pesca já tem normas e paga licençaPescadores portuenses indignados com a nova lei"As medidas vão ser um problema"As medidas é que vão ser um problema, onde vamos apanhar robalos com 31 centímetros?", desabafou Ricardo Soares, 29 anos, segurança de profissão, que, quando tem um momento livre, vai de Vale de Cambra até à ria de Aveiro, "matar" o vício da pesca, que o pai lhe "meteu" desde pequenino, a propósito da regulamentação da pesca lúdica que aí vem."Devia haver uma lei só para as "redes", defende Ricardo Soares, que lembrou que ainda nesse dia de manhã, junto à Meia Laranja, na Praia da Barra, a pesca com rede levantou alguns problemas. "A partir de Janeiro, se vir uma situação dessas, chamo logo a Capitania", avisou Ricardo Soares que, como pescador de rio, possui licença. "Não sou contra a regulamentação, mas o que está mal são as medidas e as regras que nos querem impor", disse, enquanto pescava um pequeno linguado.Jovem trabalhador da construção civil, Ricardo Julião, 19 anos, de Vagos, com o "bichinho" da pesca desde os 15 anos, "metido" pelo pai e por alguns amigos, não está contente com as medidas que se anunciam. Possui licença de pesca desportiva e pescava no molhe da "Meia Laranja", aproveitando a maré do canal de saída da barra. "Vamos ter que tirar licenças para os poucos sítios em que podemos pescar e esses sítios são aqueles em que não há peixe", disse ao JN. A seu lado, o pai, António Julião, construtor civil, para quem a pesca serve para "distrair um pouco", não tem dúvidas. "Com as condições que eles estão a impor não há hipótese nenhum de uma pessoa pescar por aqui". "Só de começar da Vagueira para a Praia de Mira ou então da ponte da Friopesca, na Gafanha para os lados da ponte da Vista Alegre", disse. "Aqui neste sítio onde estamos, ninguém pode pescar", desabafou. "Penso que quem faz as leis percebe pouco de pesca", afirmou. "Estou de acordo que metam regras na pesca, mas que não tirem tudo ao pessoal", sentenciou.No Porto, a indignação é geral entre os pescadores. Todos contestam a nova regulamentação, que, segundo os praticantes, apenas prejudica aqueles que usam a pesca para "passar o tempo, numa tarde de convívio entre amigos".Com as canas de pesca pousadas, à espera do peixe que dias há que não aparece, um grupo de homens discute sobre a nova lei que, a partir de hoje, entrará totalmente em vigor. "É um absurdo", comenta José Marques Vieira, acrescentando, "tenho 67 anos e nunca vi nada assim!". Mário Domingues, 59 anos, acha que a nova lei "não resultará". Sobre as licenças, as opiniões são praticamente uníssonas - "é um roubo!". Albano Morais, 58 anos, vai mais longe, "o que nos dão, se tirarmos a licença? Que peixe nos garantem?". A verdade é que a pesca lúdica para este grupo de amadores é, acima de tudo, "um momento de convívio". António Costa, 60 anos, pesca com o neto e, ironicamente, protesta "A cidade do Porto tem muitos locais de lazer para as pessoas de idade. Quando querem estar ao ar livre, têm de pagar!" A "crise" é também vista como a responsável pelas licenças. "O Governo precisa de dinheiro, e os pescadores de lazer estão a pagar para os outros" contesta António Costa. Tal como outros praticantes, já tem uma licença para pescar em rios interiores, agora tem de "tirar outra", com a qual discorda, já que "a licença deveria ser só uma". Ao todo, vai pagar "22 euros", o que torna este lazer "caro", quando considerado o preço do "isco, canas, linhas" e, como se queixa, "no final, não como um peixe". Alfredo Soeiro, 55 anos, terá de pagar 60 euros para continuar a pescar de barco. Somado, já gastou "mais de cem contos em arsenal de pesca". As restrições são, contudo, o que mais incomoda Paulo Sereno, de 36 anos. "Para onde vão os idosos? Os deficientes? Para as falésias? Para haver algum acidente?", questiona.Em tom de brincadeira, Alfredo Soeiro prevê que, com esta lei, "no Marquês, em vez de estarem apenas 50 idosos a jogar cartas, juntar-se-ão também todos os pescadores". Reformados contra novas restrições"Se estivéssemos em casa, na cama, seria bem pior para nós". Este é o desabafo de Amélia António, que sentada no paredão da Docapesca de Algés, em Lisboa, acompanha o marido numa tarde de pesca. O casal de reformados, já na casa dos 80, lamenta que queiram restringir e cobrar dinheiro por uma actividade que lhes serve, acima de tudo, para combater a solidão e a velhice.Mas as queixas não vêm só da parte deste casal. Se caminhar por toda a zona, as vozes soam no mesmo sentido. Francisco Lopes, de 70 anos, diz não haver "necessidade nenhuma"de aplicar tantas restrições. "Passamos aqui dias sem pescar nada e ainda querem que tiremos uma licença?", pergunta o reformado, que preferia que subissem as pensões "em vez de tentar sacar dinheiro de quem já não tem mais nada que fazer, senão ocupar algumas horas na pescaria". Uns passos mais à frente, à beira do rio Tejo, está Marcolino Dias, de 68 anos, que também se manifesta contra a nova regulamentação da pesca lúdica. Aquele reformado diz que o problema não é o custo das licenças, mas as limitações que a portaria impõe. "Com as novas restrições, passa a ser proibido pescar em quase toda a zona, da ponte 25 de Abril a Cascais. Para onde vou? Arriscar a minha vida nas falésias ou gastar o pouco dinheiro que tenho em tardes no café?". Mais novo, António Gralha, 27 anos, não tem dúvidas de que as novas regras vão acabar com os momentos de lazer. Concorda com as medidas destinadas a evitar acidentes com embarcações, mas diz que tratar quem faz pesca apeada como uma ameaça ao negócio não faz sentido "Não são pescadores de linha que estragam a pesca, mas as embarcações que pescam ilegalmente".


publicado por João Carvalho Fernandes às 11:30
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Fevereiro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28


posts recentes

CHRIS GEOFFROY - A última...

BOLIVAR LUSÍADAS PROTAGON...

ANTÓNIO MEXIA - É SÓ COIN...

PROGRESSIVIDADE FISCAL

MENINAS E MENINOS DE OURO

CÂNTICO NEGRO - JOSÉ RÉGI...

ANTÓNIO COSTA, DEMITA-SE!

DESERTIFICAÇÃO...

MONUMENTO DE HOMENAGEM AO...

O ASTÉRIX QUE SE CUIDE!

Banner Publipt
arquivos

Fevereiro 2019

Junho 2018

Abril 2018

Novembro 2017

Setembro 2017

Junho 2017

Abril 2017

Março 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Agosto 2015

Abril 2015

Março 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Setembro 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Janeiro 2004

Dezembro 2003

Novembro 2003

Outubro 2003

Setembro 2003

Agosto 2003

Julho 2003

Junho 2003

Maio 2003

Abril 2003

Março 2003

tags

todas as tags

favoritos

Dos sítios que valem a pe...

Fazer um cruzeiro: yay ou...

Hoje vou contar-vos uma h...

Boa Noite e Bom Descanso

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds