Segunda-feira, 10 de Novembro de 2008
SIM, SR. PRIMEIRO -MINISTRO....
socrates7.jpgSócrates:o país precisa de «entendimentos, de negociações e de compromissos, que são para ser honrados».Como por exemplo a promessa de fazer um referendo ao Tratado de Lisboa?

tags:

publicado por João Carvalho Fernandes às 09:00
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 7 de Novembro de 2008
La economía cubana sin rumbo
Via: Unión Liberal CubanaPor Elías Amor Bravo, Valencia SE HAN ENCENDIDO las alarmas económicas en Cuba. El mismo día en que Barack Obama obtenía la victoria en las elecciones presidenciales de Estados Unidos, dos representantes del régimen castrista se han descolgado con sendas declaraciones en las que vienen a confiar en un resultado de la economía cubana positivo para el presente año y el que viene. ¿Propaganda para ocultar la realidad?Primero, el vicepresidente Carlos Lage afirmó que la economía del país crecerá alrededor de un 4% en el 2008, a pesar del paso de dos huracanes que dejaron pérdidas superiores al 10 por ciento del Producto Interior Bruto (PIB), y añadió con un exceso de optimismo, “va a crear condiciones para seguir avanzando en los años siguientes''. Si eso es así, el descenso del crecimiento económico, oficialmente reconocido, será de la mitad con respecto al año anterior. Un auténtico mazazo para la economía de la Isla.También, José Luis Rodríguez, ministro de Economía y Planificación, durante la última jornada del III Congreso de Economía de la Salud latinoamericano y caribeño, insistió en la misma línea, al señalar que “el presente año será de crecimiento económico para Cuba, a pesar de que el segundo semestre, por el azote de los huracanes, no arroje los resultados del primero, el cual cerró con un 6%”.No es fácil compartir ese optimismo de los dos representantes castristas en materia de asuntos económicos. La discusión sobre el crecimiento real de la Isla se viene desarrollando en los últimos años, sobre todo desde que CEPAL renunció a dar por oficiales las cifras ofrecidas por el gobierno cubano al computar con criterios metodológicos distintos a los empleados en Naciones Unidas la magnitud del producto interior bruto y su tasa de crecimiento. Ante la disparidad en las cifras, se ha tenido que aceptar la estimación elaborada por el régimen que, por obra y gracia de los cálculos realizados, coloca a la Isla al frente de las potencias regionales e incluso mundiales, en términos de crecimiento económico, algo que, obviamente, no se observa de forma directa en la realidad social cotidiana de la vida de los cubanos.El presente año, con el paso de los ciclones, y la destrucción física producida, no hay margen para el optimismo, sobre todo, si se tienen en cuenta las enormes dificultades que está teniendo Raúl Castro para aplicar las medidas que, a bombo y platillo, anunció al poco de pasar a dirigir los destinos del país. Ni la entrega de tierras ha venido funcionando de forma adecuada, ni la captación de divisas ha dado los frutos apetecidos tras la autorización a los cubanos a utilizar la infraestructura turística reservada sólo a extranjeros, o la venta de determinados tipos de electrodomésticos. Nadie, con unos conocimientos básicos de las reglas de funcionamiento de una economía, puede estar de acuerdo con que este tipo de medidas de parcheo de la realidad, puedan servir para resolver los problemas reales de la Isla: falta de mercado, ausencia de propiedad, predominio del colectivismo, ausencia de productividad, escasez de ventas en el exterior, insuficiente capacidad competitiva. Nada parece ir en la dirección adecuada, ni podrá desplegar sus potencialidades hasta que el régimen no se percate de cuál es la dirección y el sentido de los cambios que se necesitan en Cuba.Una revisión de los principales sectores de la economía puede ofrecer algunos datos para el análisis. La agricultura, tal y como reconocen abiertamente las autoridades, se encuentra paralizada. El propio Lage subrayó que “los destrozos de los huracanes harán que la agricultura tarde en recuperarse ''meses, tal vez un año'', y ''varios años'' en el caso de la vivienda, pues se calcula que se perdieron medio millón de casas”. Mientras tanto, se recurre a las compras a corto plazo de granos y carne de ave a Estados Unidos o Canadá para afrontar las hambrunas de la población.El sector turístico de la Isla se ha visto afectado por los ciclones, pero lo peor llegará con los efectos negativos sobre la demanda, provocados por la grave crisis internacional, sobre todo en este último tramo del año y principios de 2009, cuando se concentra la temporada alta en la Isla. También lo reconocen las autoridades; según Lage ''En septiembre [el turismo] bajó un poco, por la situación puntual de los huracanes. En estos momentos está volviendo a crecer y, por lo que se avizora, (será) una temporada alta buena'', agregó (la temporada alta cubana corresponde al invierno del hemisferio norte). Esperemos que ese sentido de la intuición les funcione alguna vez, pero las cifras que manejan los especialistas en turismo no son halagüeñas para el próximo año.Por la misma razón, las remesas que envían las familias a la Isla, en un entorno de crisis global, se verán reducidas de forma significativa. Un aspecto a tener en cuenta, por cuanto su magnitud en volumen, y su relevancia cualitativa que proporciona capacidad adquisitiva real a una parte destacada de la población, son fundamentales para comprender la capacidad de financiación a corto plazo de la economía cubana.Las materias primas están en declive ante la caída de la demanda mundial de metales, y el níquel cubano también lo acusa de forma importante, y con ello los ingresos procedentes del comercio exterior. En tales condiciones, la posición deficitaria de la economía se va a acentuar, y la presión ejercida por un gobierno empeñado en producir él solo todos los bienes y servicios, volverá a estrangular las posibilidades reales de la economía cubana, en línea con lo que ha venido siendo su modelo de funcionamiento en estos últimos 50 años.Por lo tanto, habrá que esperar a ver, pero las previsiones no son optimistas, y cabe esperar que ni siquiera los cambios que la Administración demócrata pueda aplicar hacia los residentes cubanos en Florida vaya a beneficiar en la actual coyuntura a un régimen que se sostiene, y también lo reconocen las autoridades, con el petróleo de Venezuela que, por otra parte, ya está a 60 dólares el barril y en caída libre. Ustedes ya me entienden.

tags:

publicado por João Carvalho Fernandes às 12:00
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 6 de Novembro de 2008
A RAZÃO DE JOSÉ MANUEL COELHO - JORGE FERREIRA
Jorge Ferreira escreve sobre os acontecimentos na Madeira, no TOMAR PARTIDO:A RAZÃO DE JOSÉ MANUEL COELHO (1)A RAZÃO DE JOSÉ MANUEL COELHO (2)A RAZÃO DE JOSÉ MANUEL COELHO (3)A RAZÃO DE JOSÉ MANUEL COELHO (4)A RAZÃO DE JOSÉ MANUEL COELHO (5)e por fim, A DEMOCRACIA NA MADEIRA

tags:

publicado por João Carvalho Fernandes às 22:13
link do post | comentar | favorito

Madeira - Confusão na Assembleia
Com a devida vénia ao Diário de Notícias da MadeiraVeja o VÍDEO da verdadeira oposição na Madeira, a única que percebeu que para lutar contra Alberto João Jardim é necessário usar as mesmas armas. Deputado impedido de entrar gera nova polémica Foi mais uma manhã conturbada na Assembleia Legislativa da Madeira. Impedido de entrar por ordens do Parlamento depois de ontem ter exibido uma bandeira nazi no plenário, o deputado do PND gerou nova confusão à porta da Assembleia. José Manuel Coelho foi barrado por vários seguranças de uma empresa que presta serviço para a ALRAM, hoje com contingente fortemente reforçado. Perante a impossibilidade de entrar o deputado, foi o líder do partido que entrou para a bancada da assistência de onde protestou enquanto decorriam os trabalhos. O presidente da Mesa acabou por pedir a evacuação da sala reservada a populares de onde Baltazar protestava e a sessão foi novamente interrompida por largos minutos. Já na porta, Baltazar e Coelho continuavam os protestos a que assistiam dezenas de pessoas, entre os quais alguns turistas que registaram o momento em fotografia. À porta mantiveram-se os seguranças sob olhar atento de vários agentes da PSP, incluindo alguns oficiais.Passados vários minutos, os trabalhos foram retomados. Nos corredores do Parlamento era notória a consternação entre os deputados da maioria. Os da oposição mostravam-se divididos. Por um lado discordam da atitude e dos métodos do PND, por outro lado lembravam que este ambiente fortemente crispado resulta de 30 anos de maioria social-democrata. Os trabalhos decorrem neste momento com alguma normalidade. José Manuel Coelho acabou por abandonar as instalações mas nas duas portas do Parlamento permanecem os seguranças numa imagem pouco habitual na 'Casa da Democracia' da Madeira. Artur de Freitas Sousa; Miguel Silva

tags:

publicado por João Carvalho Fernandes às 16:30
link do post | comentar | favorito

VÍCIOS PRIVADOS, PÚBLICAS VIRTUDES....
Para além do que já sabiamos sobre o personagem, agora as declaraçoes do amigo (com amigos destes nem são precisos inimigos...):Entrevista de Miguel Esteves Cardoso à revista Sábado de 30 de Outubro...................................................................................................................................................................É verdade que O Independente se fechava à quinta-feira pela noite fora com muitas garrafas de uísque e cocaína à mistura?A coca no sentido físico só apareceu na revista Kapa, aí no sexto número. N’O Independente nunca houve. Havia era dinintéis aos caixotes [Dinintel é o nome de uma droga da classe das anfetaminas, vulgarmente denominada de speed, pelos efeitos de estimulação do sistema nervoso. Na época era legal, entretanto foi proibida].E álcool? Alguma vez teve a noção de que fechavam o jornal todos bêbados?Então não?! Quando falas em álcool deves estar a imaginar uma garrafa ou duas ou não sei quê. Eram às caixas, centenas de garrafas, com sacos de gelo! E o Dinintel era às caixas. Na altura era às lamelas. Cada um tomava uma lamela. Toda a gente sem excepção tomava. E depois era quase um saco de gelo por pessoa. Mas não bebíamos qualquer coisa, Eram whiskies irlandeses óptimos, gins, bebidas bem feitas com lima e gelo. Não era como no Expresso. Eram bebidas impecavelmente feitas, com lima, gelo, à maneira!O Paulo Portas também bebia?Não. O Paulo era só comprimidos. Fazia imensas directas e andava sempre de jeans. Não era nada betinho, apesar de não beber álcool. O Dinintel sim....................................................................................................................................................................

tags:

publicado por João Carvalho Fernandes às 10:00
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 5 de Novembro de 2008
HERDEIRO DE AÉCIO
Um blog que apenas descobri recentemente... E já faz hoje 3 anos!Herdeiro de Aécio Por acaso até conhecia o autor, foi meu colega na Universidade. Continua igual, cheio de ironia...Entra directamente para a área do QUADRO DE HONRA pela inegável qualidade!

tags:

publicado por João Carvalho Fernandes às 15:00
link do post | comentar | favorito

BPN - ESTÓRIAS EDIFICANTES (III)
In Público - via Club K Angola(Abril 2008)As várias relações existentes entre a Sociedade Lusa de Negócios (SLN), "holding" que controla o Banco Português de Negócios (BPN), e capitais angolanos estão a ser vistas à lupa pelas autoridades de fiscalização nacionais.Em causa estão não só capitais angolanos geridos pelo BPN, mas também parcerias que a instituição, agora liderada por Abdool Vakil, mantém com empresas no Brasil e em Angola.Uma das autoridades que estão a investigar o BPN é o Banco de Portugal (BdP), no quadro das suas competências de supervisão. Em causa poderá estar o recurso a fundos africanos para alavancar a actividade (desenvolver investimentos em sectores dispersos e remunerar os accionistas e os clientes com juros acima da média do mercado), situação que o BPN alega não ter "fundamento algum".O PÚBLICO sabe, no entanto, que o BdP chamou o actual CEO do BPN, Abdool Vakil, de forma a, entre outras coisas, aclarar as ligações entre accionistas do BPN e da SLN, mas também apurar a dimensão e extensão dos negócios que a holding (que detém posições em empresas de áreas muito diversificadas) mantém com a instituição que domina. Na sua acção de auditoria, o supervisor visa igualmente recolher informações sobre os accionistas da SLN (e do BPN) com ligações a off-shores para identificar quem são os reais donos destes veículos.Confrontado com o facto de o grupo desenvolver negócios estratégicos com o Banco Africano de Investimento (BAI), instituição controlado pela Sonangol e pela Endiama, empresa de diamantes de Angola, o BPN admitiu a relação. O BAI, cujo vice-presidente é o CEO da petrolífera angolana, Manuel Vicente (de acordo com o site do banco), tem cerca de 20 por cento do BPN Brasil. O BAI conta ainda, entre outros, com capitais portugueses, como a construtora Soares da Costa. No final de 2007, o BAI co-liderou uma emissão de obrigações do Tesouro para o Governo de Angola.O grupo BPN está também aliado à Angola Consulting Resources (ACR) do ramo petrolífero, onde a SLN está presente com vinte por cento do capital. Numa primeira fase, o BPN negou "ter qualquer participação" e "desconhecer" mesmo associação à ACR. Mais tarde, depois de ter sido novamente questionado, desta vez para comentar o facto de o banco Efisa (que está integrado no BPN) ser detentor de 20 por cento da ACR, optou por esclarecer que não era o Efisa, mas sim a SLN que possuía as acções. A ACR, que tem posições em poços de petróleo, é ainda detida, segundo informações divulgadas na imprensa, pelo Banco de Poupança e Crédito (BPC), de capitais públicos angolanos. O BPN esclareceu que, com o BPC, apenas "tem relações interbancárias, normais entre bancos", ignorando a parceria na ACR.Tal como o BdP, a Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) esteve no BPN a realizar uma auditoria prudencial. A CMVM debruçou-se apenas sobre a gestão de activos na tentativa de saber como são administrados os capitais, designadamente os fundos angolanos à guarda do banco português. O BPN alega, no entanto, nunca ter sido inquirido sobre as ligações com Angola.A par das autoridades de supervisão, o Ministério Público, actuando no âmbito da Operação Furacão, já convocou accionistas do BPN e da SLN, com assento no conselho geral, bem como gestores das duas instituições, para prestarem declarações. "Temos por hábito colaborar com a Justiça naquilo em que podemos ser úteis prestando esclarecimentos para dissipar eventuais dúvidas que surjam", explicou o BPN. A intervenção policial foi desencadeada em 2004 e envolveu os sectores de private-banking (a área que gere as grandes fortunas) de quatro bancos: BPN, Banco Espírito Santo, Banco Comercial Português e Finibanco. Em causa estão eventuais práticas de crimes de branqueamento de capitais, abuso de confiança, fraude fiscal qualificada, associação criminosa ou apenas incumprimento fiscal.Nas mãos do Ministério Público está ainda uma denúncia anónima contra o BPN que aponta para ilicitudes no uso de off-shores que poderão envolver branqueamento de capitais. Oficialmente, o BPN opera através de sociedades em paraísos fiscais localizados nas ilhas Caimãs, em Cabo Verde e na Madeira.As indagações ao BPN e aos seus responsáveis surgem num momento de grande instabilidade accionista depois de Oliveira e Costa ter sido substituído por Abdool Vakil. Joaquim Coimbra, grande accionista do banco, surge também como uma das figuras preponderantes na definição da estratégia do BPN. A actual situação já levou o BdP a aconselhar a SLN a avançar com um aumento de capital, a aprovar na assembleia marcada para a segunda quinzena de Maio.BAI Europa é representado por Tavares MoreiraCriado em 1996, o Banco Africano de Investimentos (BAI) iniciou a sua internacionalização com a constituição do BAI Europa em Lisboa e com a compra de 20 por cento do BPN Brasil.O banco, que tem a Sonangol como um dos principais accionistas, detém 2,5 por cento da Fomentinvest (liderada por Ângelo Correia, e que conta com accionistas como Ilídio Pinho, BES, FLAD, CGD e Banif), tendo passado essa participação para o BAI Europa em 2006. Actualmente, o BAI Europa é representado por Tavares Moreira, ex-governador do Banco de Portugal.Ainda em 2006, o banco angolano liderado por José de Lima Massano fez um aumento de capital para, segundo a instituição, criar condições para o processo de expansão. Com receitas de 142 milhões de dólares e lucros de 44 milhões de dólares em 2006, o BAI está ainda presente em Cabo Verde e S. Tomé e Príncipe.Também a Angola Consulting Resources (ACR) tem ligações à Sonangol, sendo sua parceira em, pelo menos, um bloco petrolífero. Liderada por Carlos Amaral, a empresa foi criada em 2003, operando essencialmente na área de consultoria e de serviços, como a gestão de fundos e pagamentos.

tags:

publicado por João Carvalho Fernandes às 10:30
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Terça-feira, 4 de Novembro de 2008
BPN - ESTÓRIAS EDIFICANTES (II)
Público de 16 de Fevereiro de 2005, in: Infoprojecto21O Amigo Libanês de Manuel Dias LoureiroPor CRISTINA FERREIRAQuarta-feira, 16 de Fevereiro de 2005Num livro publicado em Espanha em 2004, o dirigente social-democrata Manuel Dias Loureiro surge como sócio do libanês Abdul Rahman El-Assir, ali citado como "traficante de armas", e, segundo a imprensa internacional, uma das personalidades mencionadas na mega-investigação que nos anos 80 envolveu um banco ligado ao narcotráfico internacional. Em declarações ao PÚBLICO, Dias Loureiro explicou que deu já indicações a um advogado, em Espanha, para impedir que em futuras edições o seu nome continue a constar como "sócio" de El-Assir, mas reconhece que o empresário o ajudou "a resolver um negócio em Marrocos" e admite manter com ele uma relação de amizade, tendo sido por seu intermédio que conheceu o Rei de Espanha, Juan Carlos."Logo que tive conhecimento da existência desse livro, procurei agir de modo a repor a verdade dos factos e a evitar que em futuras edições essa mentira fosse repetida," disse ao PÚBLICO Dias Loureiro, 54 anos, quando confrontado com a informação de que seria sócio de Abdul Rahman El-Assir, conforme consta da obra publicada em Espanha, com o título "Los PPijos". Os autores, os jornalistas Carlos Ribagorda e Nacho Cardero, analisam uma nova geração de políticos/homens de negócio do Partido Popular espanhol, à volta dos 40 anos, agrupada em torno de Alejandro Agag, genro de José Maria Aznar. À data da edição do livro, Agag era oficialmente colaborador do Banco Português de Negócios (BPN), de que é accionista Dias Loureiro.Após tomar conhecimento da publicação de "Los PPijos", conta o dirigente social-democrata, que encarregou o professor de Direito Penal da Universidade de Valência Javier Beox de accionar os procedimentos necessários a clarificar o seu relacionamento com o libanês. Em declarações ao PÚBLICO, Beox confirmou ter "interposto" um requerimento notarial a solicitar a correcção apenas da informação constante em "Los PPijos", que indica o seu cliente como "sócio" deEl-Assir. Isto, por se entender que a alusão "afecta o seu bom nome". O notário pode aceitar o pedido de Dias Loureiro ou recusá-lo. "[Se for assim], afirma o ex-deputado, depois decidiremos."O amigo libanêsContactado telefonicamente pelo PÚBLICO El-Assir afirmou não ter qualquer ligação empresarial com Dias Loureiro, que "é apenas um grande e bom amigo". O empresário libanês confessou não ter lido "Los PPijos" , considerando que "nem tudo o que se escreve é verdade".A imprensa espanhola ("El Mundo", 16/05/04) menciona o facto de El-Assir, de 54 anos, e com nacionalidade espanhola, estar proibido de entrar na Suíça e nos EUA, uma informação que o empresário contesta, adiantando que tem naquela localidade "residência" e mais de três mil empregados nos EUA, onde é proprietário de uma petrolífera, Gulf. O seu nome consta ainda de vários textos publicados nos últimos anos em "sites" internacionais como tendo estado associado ao escândalo que envolveu nos anos 80 o Banco de Crédito e Comércio Internacional (BCCI), com sede no Panamá, instituição que foi acusada de ligações ao narcotráfico mundial. Nos EUA, esta investigação foi liderada pelo ex-candidato presidencial John Kerry. Confrontado com o facto, El Assir assegura apenas que "nunca teve nenhuma conta pessoal ou empresarial no BCCI".Dias Loureiro disse ao PÚBLICO que não é "sócio" de El-Assir e "nada" saber "sobre o seu passado". "Não tenho quaisquer razões para pensar mal dele. O seu círculo de amigos é gente respeitável, ele sempre me tratou bem, com amizade e respeito", notou. "[E ainda recentemente] ajudou um meu amigo a entrar em contacto com um médico em Inglaterra."O ex-deputado ao ser contactado pelo PÚBLICO considerou que o assunto é muito delicado", reconhecendo que mantém uma relação de amizade com o libanês, mas "apenas desde 2001", ano em que este o "ajudou a resolver um negócio em Marrocos", onde estavam "a EDP, a Pleiade e o grupo espanhol Dragados" e ainda um sócio marroquino. Em causa esteve a venda da marroquina Redal (concessão de distribuição de água, de electricidade e de saneamento básico), de que Dias Loureiro era presidente, ao grupo francês Vivendi. Segundo o ex-ministro foi El-Assir que o "pôs em contacto com um responsável de Rabat", o que possibilitou "ultrapassar alguns obstáculos de ordem burocrática" e viabilizar o negócio com os franceses.O social-democrata conta ter sido apresentado ao empresário libanês por "um cunhado dele", "amigo [de Dias Loureiro] e casado com a irmã da actual mulher" de El-Assir, a espanhola Maria Fernandez Longoria, filha de um ex-embaixador de Espanha no Cairo. Desde 2001, garante o presidente da mesa da assembleia geral do PSD, passaram "a ter uma relação social", não voltando a ter "contactos" profissionais. "Apenas tenho conhecimento de que possui uma empresa ligada ao petróleo nos EUA." Dias Loureiro esclarece que a última vez que falou com o libanês "foi na passagem do ano".Caçadas com o Rei de Espanha"El-Assir é muito bem relacionado", observa o dirigente social-democrata. "Ele convidou-me várias vezes para caçar com o Rei de Espanha e jogar golfe." Foi ainda por seu intermédio, conta, que conheceu o ex-Presidente dos EUA Bill Clinton e o presidente do Partido Democrata norte-americano, Terry Macauliffe, o homem que trata das finanças dos democratas. "Jantei com Bill Clinton nas casas dele [El-Assir] em Madrid, Barcelona e Londres." El-Assir é visto regularmente na sua propriedade em Marbella, no Sul de Espanha, onde é vizinho dos pais de Alejandro Agag. "[Ele] é amigo do Rei de Espanha e do neto de Franco [Francis Franco], com quem tenho estado", acrescentou Loureiro, adiantando que já se encontrou "umas seis vezes" com Juan Carlos "em casa" de El-Assir para caçar, "a última das quais foi em Setembro". A "proximidade" do monarca espanhol a El-Assir tem sido aliás objecto de comentários por parte da imprensa espanhola, que põe em causa algumas das ligações de Juan Carlos, observando que três dos seus amigos "mais íntimos", Manolo Prado (envolvido em escândalos económicos), Javier de la Rosa (ligado à KIO) e Mário Conde (ex-presidente do Banesto), estão condenados criminalmente. O referido artigo do "El Mundo" tem mesmo como título: "Abdul El-Assir: outro amigo estranho do Rei."De acordo com os jornalistas, El-Assir deslocou-se em 2003 a Portugal para assistir ao casamento da filha de Dias Loureiro, Joana, com o filho do então secretário-geral do PS, Ferro Rodrigues, João. O ex-ministro de Cavaco Silva confirma-o: "É verdade que esteve nos casamentos das minhas duas filhas e o seu cunhado também." No Convento do Beato, em Lisboa, "junto à nata da política portuguesa [Durão Barroso, Cavaco Silva, Mário Soares...], Agag e a mulher partilharam a mesa com El-Assir: todos velhos conhecidos, todos amigos para convites e para os negócios", escrevem Ribagorda e Cardero. E lembram que o libanês foi igualmente convidado, em 2002, para o casamento de Alejandro Agag com a filha de Aznar, onde estiveram mil pessoas, incluindo um ex-primeiro-ministro português António Guterres, o então chefe de Governo, Durão Barroso, e um ex-ministro da Administração Interna, Dias Loureiro. Daí concluem: "Como se pode apreciar, as conexões de uns e de outros fazem com que tudo fique em casa."

tags:

publicado por João Carvalho Fernandes às 16:00
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

BPN - ESTÓRIAS EDIFICANTES (I)
in: Clube FiscalBPN envolvido em operação de fuga ao Fisco Segundo o «Expresso», o Banco Português de Negócios (BPN) poderá estar envolvido na operação de fuga ao Fisco pela Euroamer, de Artur Albarran.Um relatório da Inspecção-geral de Finanças revela que o BPN pode ter servido de intermediário na operação.A operação respeita à venda de acções da Sociedade Lusa de Negócios (accionista maioritária do BPN) à empresa Planeta das Casas, controlada pela Euroamer. O negócio envolveu cerca de 4,9 milhões de euros – 3,8 milhões de acções, a um euro cada, mais 1,2 milhões de acções aquando do aumento de capital.No entanto, a empresa registou, contabilisticamente, uma venda no valor de 11,7 milhões de euros, seguida de uma compra pelo mesmo valor.O BPN vendeu as acções à sociedade Emka Internacional, uma empresa off-shore, que as revendeu no dia seguinte pelos mesmos 11,7 milhões de euros.A Euroamer vendeu depois as acções à Inland, de Luís Filipe Vieira, por 7,9 milhões de euros, registando uma menos-valia de 3,8 milhões de euros.Segundo o semanário, «as operações levantaram suspeitas nas Finanças de que se tenha tratado de uma operação de valorização de títulos». Toda esta operação lesou o Estado em um milhão de euros de IRC não cobrado.11-12-2006

tags:

publicado por João Carvalho Fernandes às 11:00
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 3 de Novembro de 2008
FARINHA DO MESMO SACO....
Dias-Loureiro09.JPG.jorge-coelho09.JPG

tags:

publicado por João Carvalho Fernandes às 21:41
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Fevereiro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28


posts recentes

CHRIS GEOFFROY - A última...

BOLIVAR LUSÍADAS PROTAGON...

ANTÓNIO MEXIA - É SÓ COIN...

PROGRESSIVIDADE FISCAL

MENINAS E MENINOS DE OURO

CÂNTICO NEGRO - JOSÉ RÉGI...

ANTÓNIO COSTA, DEMITA-SE!

DESERTIFICAÇÃO...

MONUMENTO DE HOMENAGEM AO...

O ASTÉRIX QUE SE CUIDE!

Banner Publipt
arquivos

Fevereiro 2019

Junho 2018

Abril 2018

Novembro 2017

Setembro 2017

Junho 2017

Abril 2017

Março 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Agosto 2015

Abril 2015

Março 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Setembro 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Janeiro 2004

Dezembro 2003

Novembro 2003

Outubro 2003

Setembro 2003

Agosto 2003

Julho 2003

Junho 2003

Maio 2003

Abril 2003

Março 2003

tags

todas as tags

favoritos

Dos sítios que valem a pe...

Fazer um cruzeiro: yay ou...

Hoje vou contar-vos uma h...

Boa Noite e Bom Descanso

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds