Quarta-feira, 26 de Agosto de 2009
CUBA - O VERDADEIRO PROGRESSO É ASSIM!
Cuba: Bois substituem tractores Via: Quiosque aeiouMilhares de bois vão substituir em Cuba os tractores, que já escasseiam nas plantações agrícolas, uma medida para poupar o combustível na ilha, confrontada com uma grave crise financeira, noticiou terça-feira a imprensa local. Só na província de Villa Clara são esperadas 3.100 parelhas de bois até 2012 para "dar um impulso à produção de alimentos e economizar combustível", indicou o jornal Granma, órgão oficial do Partido Comunista cubano. Em Cuba, o combustível e a electricidade, produzidos maioritariamente em centrais térmicas, são racionados desde Junho pelas empresas estatais.

tags:

publicado por João Carvalho Fernandes às 14:20
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Terça-feira, 25 de Agosto de 2009
CUBA ENFRENTA SU PEOR CRISIS
Via: La Nueva Cubacastro-enteritis.jpgLa isla enfrenta una situación tan adversa como la de principios de los años 90 — Fernando tenía un trabajo cómodo en La Habana, Cuba. Era cajero en un banco con aire acondicionado, una buena computadora y almuerzo gratis.Pero eso se acabó. En medio de la mayor crisis económica de la isla en casi dos décadas, el banco desconectó el aire acondicionado y su computadora se descontrola constantemente debido al calor, lo cual molesta extraordinariamente a Fernando y sus clientes. El almuerzo, dice, “ahora es una merienda”. La causa principal de la crisis es la recesión mundial, que ha reducido la demanda y el precio de los pocos productos de exportación de Cuba, como el níquel, y cerrado fuentes de crédito a un gobierno ya abrumado por la deuda. Si a eso se agregan los problemas internos del país, la reciente afirmación del gobernante Raúl Castro de que los problemas son “un asunto de seguridad nacional” no parece ser una exageración. Después de que Raúl reemplazó a Fidel Castro, “la mayoría de los cubanos esperaban algunas mejoras a mediano plazo. Pero ahora todos se preparan para lo peor”, dijo una miamense que regresó de una visita a la isla y pidió no ser identificada para proteger a su familia allí. Raúl ha adoptado medidas draconianas para que la economía pueda sobrevivir la tormenta a corto plazo. A fin de reducir el consumo de electricidad en 12% -Cuba importa la mitad del petróleo que necesita- el Gobierno ha cerrado numerosas fábricas y ordenado que los edificios estatales, cines y otras instalaciones no usen aire acondicionado a pesar del calor del verano. Los inspectores también han comenzado a multar con 23 CUC (peso cubano convertible, equivalente a $1.24) a los ciudadanos que roban electricidad mediante conexiones ilegales. Eso equivale a unas cinco semanas de salario promedio en la isla. “Los bancos se construyen para protegerlos de los ladrones, no para que entre la brisa”, afirmó Fernando, quien pidió que no se publicara su apellido por temor a represalias del Gobierno. “Sin [aire acondicionado] mi oficina se pasa dos paradas del infierno”. Algunos hospitales también han comenzado a cerrar las salas de emergencias dos horas diarias y ciertos tipos de cirugías se han pospuesto hasta que el servicio eléctrico se normalice, dijo Elaine Scheye, consultora de Chicago que ha estudiado el sistema de salud pública cubano. Un agrónomo en La Habana dijo a El Nuevo Herald que muchos proyectos rurales han sido paralizados por falta de dinero para comprar gasolina. Otro cubano comentó que en el Ministerio de Agricultura no hay aire acondicionado desde hace dos meses. También se ha reducido la porción de muchos alimentos racionados -los frijoles colorados y los chícharos, por ejemplo, de 30 a 20 onzas al mes y la sal a la mitad, a unas cuatro onzas por mes-, mientras que el abastecimiento de alimentos a las cafeterías de fábricas, oficinas y escuelas también es menor, según anuncios oficiales. Las operaciones policiales contra el mercado negro de alimentos -aparentemente un intento de asegurar que más alimentos lleguen a las instalaciones oficiales- han hecho subir los precios, pero los estantes de muchas tiendas están vacíos, afirman vecinos. Incluso las empresas extranjeras sufren desabastecimiento porque el Gobierno está controlando estrictamente los retiros de sus cuentas. Raúl reemplazó a todo su gabinete económico en marzo y hace una semana la Asamblea Nacional creó la Contraloría General para combatir la corrupción gubernamental. Importación de alimentos: Muchos analistas dentro y fuera de la isla afirman que las medidas están muy lejos de lo que es necesario para solucionar la crisis. “[Son] mercurocromo y curitas para hacer frente a heridas profundas de rápido desangramiento”, escribió el activista miamense Juan Antonio Blanco en su blog Cambio de época. El diario oficial Granma calificó la situación de “grave”. Cuba ya enfrentaba grandes problemas durante el otoño de 2008, después de que cuatro ciclones dejaron daños por valor de $10,000 millones, equivalente a un enorme 10 por ciento del Producto Interno Bruto, PIB, de 2007. Las importaciones en 2008 aumentaron 41 por ciento, a $14,200 millones, en comparación con el año anterior, mientras que las exportaciones se mantuvieron alrededor de $3,700 millones, lo cual significa que el ya sustancial déficit comercial se disparó 65 por ciento. La importación de alimentos aumentó de $1,500 millones en 2007 a $2,200 millones el año pasado, mientras el Gobierno trataba de reemplazar las cosechas destruidas por los huracanes, según cifras oficiales de La Habana. Entonces la economía mundial se desplomó y secó los mercados de crédito. Los préstamos comerciales extranjeros a Cuba bajaron en $1,000 millones en 2008, según el Banco de Pagos Internacionales, en Suiza, un golpe demoledor a un gobierno que durante los últimos 10 años se ha endeudado cada vez más para pagar importaciones y deudas anteriores, “financiación por mora”, dijo un economista. Auditores rusos reportaron el mes pasado que Cuba había incumplido tres veces el pago de un préstamo de $355 millones firmado en 2006. Y unas 80 empresas gubernamentales cubanas pospusieron pagos a acreedores extranjeros este año, según Carmelo Mesa Lago, economista experto en asuntos cubanos de la Universidad de Pittsburgh. En momentos en que se espera que las remesas desde el extranjero y los ingresos del turismo no aumenten este año, y el precio del níquel, el principal artículo de exportación de la isla, ha bajado al 25 por ciento del nivel de 2008, las perspectivas para este año son pésimas. Durante el último mes, el gobierno cubano redujo su pronóstico de crecimiento del PIB de 6 a 2.5 por ciento, y posteriormente a 1.7 por ciento, aunque algunos economistas cubanos pronostican en privado una baja a 0.5 por ciento. “El país nuevamente enfrenta una situación tan adversa” como la de principios de los años 90, reportó la Comisión Económica para América Latina, Cepal, este año. La economía cubana se contrajo 35 por ciento después de la caída de la Unión Soviética y la consiguiente pérdida de subsidios anuales por valor de entre $4,000 y $6,000 millones. Desde que Raúl asumió oficialmente el poder a inicios de 2008, ha empleado reformas a largo plazo con la esperanza de mejorar la productividad y reducir la centralización económica. La iniciativa más ambiciosa de su gobierno ha entregado 1.7 millones de acres de tierras ociosas a 82 mil cubanos con la esperanza de aumentar la producción de alimentos y reducir las costosas importaciones. También trasladó el control de la notoriamente ineficiente entidad que acopia y distribuye los productos agrícolas del Ministerio de Agricultura al de Comercio Interior. Ha aumentado algunos salarios como incentivo para mejorar la producción, ha permitido a los cubanos tener más de un empleo y a los retirados volver al mercado laboral. Castro pronosticó la semana pasada reducciones en el gasto estatal en la salud pública y la educación, al igual que en las importaciones. La Habana también ha sugerido que está estudiando una mayor apertura para los inversionistas extranjeros y abandonar el costoso sistema de racionamiento de alimentos. Ariel Terrero, economista cubano, incluso sugirió recientemente que el Gobierno ponga una mayor parte de la economía “en manos de los productores”; por ejemplo, permitir que empleados de las tiendas oficiales de alimentos y ropa manejen sus propios negocios. A pesar de las especulaciones iniciales de que Raúl, al que algunos consideran un pragmático, implementaría un “sistema socialista de mercado” al estilo chino, sus reformas han sido relativamente moderadas. Su hermano Fidel se mantiene opuesto a cambios más profundos tres años después de la última vez que se presentó en público, según los analistas, y Raúl tiene que saber que abrir la economía cubana a las fuerzas del mercado pudiera alimentar un aumento potencialmente desestabilizador de las desigualdades sociales y económicas en la isla. En un discurso ante la Asamblea Nacional el mes pasado, Raúl prescribió una especie de “socialismo racional” que preserve el sistema político a la vez que reduce la burocracia, los subsidios y el derroche estatal, y aumente la productividad y la eficiencia. “Es un asunto de definir, con la mayor participación popular, la sociedad socialista a la que aspiramos y podemos construir, dadas las condiciones actuales y futuras de Cuba, el modelo económico que regirá la vida de la nación en beneficio de nuestro pueblo”, afirmó. Pero, para que nadie se llevara una impresión equivocada, añadió una advertencia. “A mí no me eligieron Presidente para restaurar el capitalismo en Cuba ni para entregar la revolución”, indicó. “Fui elegido para defender, mantener y continuar perfeccionando el socialismo, no para destruirlo”. La PrensaWashington, Estados UnidosInfosearch:José F. Sánchez AnalistaDirectorDept. de InvestigacionesLa Nueva Cuba

tags:

publicado por João Carvalho Fernandes às 15:30
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 21 de Agosto de 2009
ANTÓNIO JOSÉ RODRIGUES DE ALMEIDA - R.I.P.
Com a devida vénia à MarinhaMarinha localizou a embarcação “TROMBAS” a 75 metros de profundidade 20-08-2009 0:00 Ontem, dia 19 de Agosto, no prosseguimento das acções de busca do tripulante desaparecido da embarcação de recreio “Trombas”, que se afundou no passado dia 12 de Agosto a cerca de 8 milhas náuticas ao largo da praia do Pedrógão, a Marinha identificou a embarcação a 75 metros de profundidade e a cerca de 300 metros da posição estimada, com o apoio do navio hidrográfico NRP Andrómeda, que se encontra equipado com sonar lateral e um veículo submarino operado remotamente (ROV). Nas operações estiveram também envolvidos a corveta NRP Baptista de Andrade, equipada com uma câmara hiperbárica, e uma equipa de mergulhadores especializada em mergulho profundo. Desta acção resultou a identificação da embarcação e a recuperação de um corpo, que se encontrava no seu interior, o qual foi entregue às autoridades competentes. Recorde-se que:- a embarcação “Trombas”, tinha uma tripulação constituída por 3 elementos na altura do acidente, tendo sido salvos dois por uma outra embarcação de recreio que se encontrava nas proximidades. - nas buscas foram envolvidos meios navais, da autoridade marítima local e aeronaves da Força Aérea.


publicado por João Carvalho Fernandes às 10:25
link do post | comentar | favorito

Domingo, 16 de Agosto de 2009
CÂNTICO NEGRO - José Régio
Dedicado ao Amigo prematuramente desaparecido, António José Rodrigues de Almeida. Nunca hei-de esquecê-lo a recitá-lo, como só ele fazia e nunca nos cansávamos de ouvir!


"Vem por aqui" — dizem-me alguns com os olhos doces
Estendendo-me os braços, e seguros
De que seria bom que eu os ouvisse
Quando me dizem: "vem por aqui!"
Eu olho-os com olhos lassos,
(Há, nos meus olhos, ironias e cansaços)
E cruzo os braços,
E nunca vou por ali...

A minha glória é esta:
Criar desumanidade!
Não acompanhar ninguém.
— Que eu vivo com o mesmo sem-vontade
Com que rasguei o ventre à minha mãe.

Não, não vou por aí! Só vou por onde
Me levam meus próprios passos...

Se ao que busco saber nenhum de vós responde
Por que me repetis: "vem por aqui!"?
Prefiro escorregar nos becos lamacentos,
Redemoinhar aos ventos,
Como farrapos, arrastar os pés sangrentos,
A ir por aí...

Se vim ao mundo, foi
Só para desflorar florestas virgens,
E desenhar meus próprios pés na areia inexplorada!
O mais que faço não vale nada.

Como, pois, sereis vós
Que me dareis impulsos, ferramentas e coragem
Para eu derrubar os meus obstáculos?...
Corre, nas vossas veias, sangue velho dos avós,
E vós amais o que é fácil!
Eu amo o Longe e a Miragem,
Amo os abismos, as torrentes, os desertos...

Ide! Tendes estradas,
Tendes jardins, tendes canteiros,
Tendes pátria, tendes tectos,
E tendes regras, e tratados, e filósofos, e sábios...
Eu tenho a minha Loucura !
Levanto-a, como um facho, a arder na noite escura,
E sinto espuma, e sangue, e cânticos nos lábios...

Deus e o Diabo é que me guiam, mais ninguém!
Todos tiveram pai, todos tiveram mãe;
Mas eu, que nunca principio nem acabo,
Nasci do amor que há entre Deus e o Diabo.

Ah, que ninguém me dê piedosas intenções,
Ninguém me peça definições!
Ninguém me diga: "vem por aqui"!
A minha vida é um vendaval que se soltou,
É uma onda que se alevantou,
É um átomo a mais que se animou...
Não sei por onde vou,
Não sei para onde vou,
— Sei que não vou por aí!

Poemas de Deus e do Diabo, José Régio


publicado por João Carvalho Fernandes às 17:28
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Sábado, 15 de Agosto de 2009
FINALMENTE SÓCRATES ATINGIU O OBJECTIVO DOS 150.000
Destruição de 152 mil empregos é a maior de sempre

tags:

publicado por João Carvalho Fernandes às 16:49
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Domingo, 9 de Agosto de 2009
RAUL SOLNADO
Republicação de um texto aqui transcrito em Novembro de 2004:solnado_leg06.jpgUma interessantíssima entrevista a Raul Solnado, no site da Sociedade Portuguesa de Autores:(RAUL SOLNADO Actor imenso, homem solidário)É lisboeta e tem 74 anos. Bem vividos. Mas o seu sorriso bom e malandro continua a parecer o de uma criança traquinas de quem é impossível não gostar. O seu segredo - se segredo tem - explica-o ele nesta entrevista: o seu projecto de vida nunca foi a riqueza, mas a felicidade. Solnado começou a trabalhar em 1947 no teatro amador, na Guilherme Cossul - uma colectividade que nunca (o) esqueceu. Tinha 18 anos. Em 1952 estreou-se "profissionalmente" num show no Máxime e a partir daí não mais parou: opereta, revista, teatro clássico, cinema, televisão. Fazendo rir e pensar. Dono e senhor de uma popularidadade incrível.O grande salto deu-se na década de 60: o monólogo "A Guerra de 1908", estreado em Outubro de 61, cedo passou a ser a guerra do Solnado e marcou-o definitivamente. Até aos dias de hoje. Foi um golpe de génio e uma batalha gloriosamente ganha na guerra contra a ditadura. Oito anos mais tarde, em 69, com Carlos Cruz e Fialho Gouveia, averbou outra vitória retumbante: apresentou na RTP um programa inovador que se tornou um marco na programação televisiva : "Zip-Zip". E nessa sua década de ouro fez o que, até hoje, nenhum actor português fez: criou de raiz e dirigiu (de 64 a 70) um teatro - o Villaret. A lista de trabalhos assinados por Solnado é fantasticamente longa. No seu Parque Mayer fez um mar de revistas, muitas das quais ficaram para sempre no imaginário português. Na televisão, voltou a fazer das suas nos anos 70: o concurso "A Visita da Cornélia" permanece uma referência. Mas se a década de 60 foi de ouro, a de 80 foi de diamante. O seu melhor trabalho cinematográfico é de dessa época: fez um fantástico papel dramático no filme "A Balada da Praia dos Cães", de Fonseca e Costa, baseado no livro de José Cardoso Pires; foi actor convidado do Teatro Nacional D. Maria II, como protagonista da peça "O Fidalgo Aprendiz", de D. Manuel de Melo; foi actor convidado do Teatro Nacional de S. Carlos, na personagem Frosch da opereta "O Morcego", de Strauss; fez "O Avarento", de Molière, no Teatro Cinearte, encenado por Helder Costa; e ao lado de Eunice Muñoz fez a telenovela "A Banqueira do Povo". Em 2001 voltou aos palcos do teatro com um papel de grande relevo na peça de Freitas do Amaral "O Magnífico Reitor". E tendo sido sua a ideia de criar a magnífica "Casa do Artista" - concretizada fundamentalmente por Armando Cortez e Manuela Maria - Raul Solnado, sempre solidário, é o hoje o seu magnífico Presidente. Ribeiro Cardoso--------------------------------------------------------------------------------As gargalhadas que ganharam a guerraRaul Solnado é um actor de mil faces mas foi com as gargalhadas que se impôs como uma figura mítica do espectáculo. E quando a guerra colonial era sagrada e indiscutível, ele pôs Portugal a rir-se de uma guerra sem sentido, uma rábula que foi o seu maior êxito de sempre. Ouvide agora senhores, a sua estória de pasmar!Autores - Costuma dizer que um cómico tem muitos inimigos. Quem são os seus inimigos?Raul Solnado - O actor cómico é um interventor no plano social, político e até na vida das pessoas que critica, por isso não pode ter a unanimidade universal. O Chaplin tinha imensos inimigos e esses declaravam-se a cada passo. Os meus inimigos não se declaram, mas sei que os tenho, embora não se manifestem.A - Para os cómicos não há limites?RS - Para mim tudo é risível mas imponho-me limites. Despejo a minha fúria sobre o pensamento monolítico, critico o que os políticos dizem e fazem, ridicularizo os tiques da sociedade, contexto as injustiças. Só poupo a democracia, é proibido atentar contra o regime democrático. Contra o Presidente da República, também não. Mal vão as coisas quando ele é criticável.A - Foi por isso que em plena guerra colonial pôs Portugal a rir à gargalhada com a sua versão da guerra?RS - Aquela rábula tem um início anterior à guerra. Eu fui a Madrid e vi o Miguel Gila representar o texto. Fiquei logo apaixonado pela rábula porque o non sense é o tipo de humor que mais me toca. Comprei o disco, traduzi o texto mas guardei-o, não por temer a censura mas porque tinha dúvidas que as pessoas gostassem daquilo.A - E quando é que a sua guerra saiu da gaveta?RS - Foi já no início da guerra em Angola. Eu fui com o Humberto Madeira -um cómico fabuloso - à quermesse do Nacional da Madeira, na Quinta da Vigia, um sítio lindíssimo onde agora está instalado o Governo Regional. Num mês fizemos 45 espectáculos e lá para o fim sentimos que era preciso refrescar o repertório. Disse ao Humberto Madeira que gostava de fazer a guerra, talvez as pessoas gostassem. Ele apoiou-me e avancei. Nessa noite o público riu-se tanto que pediu bis. Foi ali que começou o sucesso da minha guerra...A - Quais eram as suas dúvidas em relação ao texto?RS - Não era em relação ao texto, mas ao gosto do público, hoje as pessoas riem melhor que naquela altura. Eu não sabia se um texto non sense ia funcionar. Os cómicos têm sempre essa dúvida. Uma piada leva duas horas a ser construída e depois desaparece como um fósforo. É ao contrário dos cantores que quanto mais cantam um tema, mais ele se populariza e ganha notoriedade.A - A estória da sua ida à guerra começou na Madeira e depois alastrou a que palcos?RS - Mal cheguei a Lisboa fui fazer um espectáculo no ringue de patinagem de Oeiras e o êxito foi igual ao da Madeira. Na altura ia fazer a revista "Bate o Pé" e fiquei com a certeza de que a rábula não ia falhar.A - Mas aí já tinha que submeter o texto à comissão de censura...RS - Pois, e era uma censura visual e de texto, por isso eu tinha um grande receio que não passasse. O Nelson de Barros, grande jornalista e o maior autor de revistas que conheci, disse-me que mandávamos o texto como sendo para o personagem Cantinflas, uma rábula que tinha feito no teatro Apolo. Quando o texto veio aprovado, ninguém queria acreditar. O problema era a censura visual.A - Como funcionava essa comissão de censura visual?RS - No ensaio geral, cinco ou seis censores viam o espectáculo. Depois diziam que era preciso tapar um umbigo, descer umas saias, coisas assim. No Carnaval só se podia dizer merda uma vez por sessão. Como eu não ia vestido de Cantinflas, estava receoso que a rábula fosse cortada. Mas estes textos de non sense têm de ser bem compreendidos, caso contrário não funcionam. E eu disse aquilo a uma velocidade tal que nem eu próprio percebi o que dizia. Os censores também não perceberam e, no final, um deles disse-me que estava tudo aprovado mas deu-me um conselho: olhe lá, não faça aquilo da guerra, não tem piada nenhuma! E eu disse-lhe que era obrigado a fazer mas que então só fazia aquilo na estreia. Como já sabia o que vinha a seguir, pedi à Valentim de Carvalho que gravasse aquilo na estreia e lançasse o disco. Depois era impossível travar a rábula. Os censores ficaram baralhados com o Cantinflas!A - Nessa altura já tinha grande notoriedade como actor?RS - Nem por isso. Curiosamente, a crítica só começou a dar por mim, quando no teatro Apolo fiz a rábula do Cantinflas, em 1954.A - Só para informação dos nossos leitores mais jovens, imitava o actor mexicano Mário Moreno, mais conhecido por Cantinflas?RS - Exactamente. O Cantinflas era um cómico que teve êxito mundial nos anos 50 e 60.A - Depois da sua versão da guerra continuou a fazer coisas subversivas?RS - Sempre que pude. Em 1972, lancei "Os Malmequeres" na revista "Prá Frente Lisboa". Era uma canção altamente subversiva, oito quadras violentíssimas. A primeira era assim: "Português, ó malmequer/ em que terra foste semeado/ Português, ó malmequer/ Cada vez andas mais desfolhado". Os censores queriam que eu cortasse a palavra "português", mas se o fizesse aquilo perdia o sentido. Continuei como se nada fosse e eles ameaçaram-me. Puseram dois censores no camarote do teatro para vigiarem se eu cumpria as ordens da censura. Mas como entretanto saiu o disco, eles desistiram.A - Vamos para o presente. Temos bons autores de humor?RS - Sempre tivemos bons autores e bons cómicos, mas o humor é dinâmico, as coisas mudam. Andei a pesquisar rábulas antigas e constatei que o humor nos anos 40 e 50 era muito frágil. Hoje temos autores em qualidade e quantidade, a fazerem excelente humor. Eles têm outra cabeça, já não pensam como os autores do meu tempo. Dadas as condições existentes, o panorama podia ser melhor, mas é um género muito difícil.A - Onde está a dificuldade?RS - Eu pergunto: porque razão existem no mundo milhões de actores e só temos 50 bons cómicos? Como dizia o António Aleixo, nós precisamos de ver as coisas mais além. Está aí a dificuldade.A - Os cómicos, para fazerem rir, têm de ver mais longe?RS - Eu sempre disse que os cómicos são tristes e sisudos porque têm mágoas profundas. Nós temos de ver o ridículo com uma lupa muito grande e isso magoa. É por esse lado que vemos mais longe.A - E quanto ao humor fácil?RS - Isso não é comigo. Fui convidado para o programa "Cabaré da coxa" e perguntaram-me porque razão eu não gosto que os cómicos usem palavrões. O tipo que faz de papagaio soltou logo uma série de palavrões e ficámos todos a rir. Não foi humor fácil, foi alguém que desorganizou aquilo tudo. O cómico é um desorganizador por excelência. Mas tenho pena do público que se ri dos palavrões. Tenho imensa pena de um cómico que precisa de dizer palavrões para provocar o riso.A - E os seus textos?RS - Eu ao nível to texto traduzi muitas peças, escrevi "Há petróleo no Beato" e adaptei, com o César de Oliveira, "Isto é que me dói", uma peça do brasileiro Paulo Pontes que é uma crítica violentíssima ao nosso sistema de saúde.A - E a guerra...RS - Foi apenas uma tradução com ligeiras adaptações. Eu só interpretei essa rábula três anos e os seus ecos chegam aos dias de hoje.A - Face ao sucesso estrondoso que teve, porque abandonou essa rábula?RS - Um dia fui ao Barreiro fazer a guerra e o público sabia o texto de cor, os espectadores começaram a fazer de ponto. Depois chegava a outro sítio e toda a gente dizia o texto antes de mim e eu pensei que era melhor parar. Por muito dinheiro que eu ganhasse com a rábula - e se ganhei! - não queria ficar agarrado àquele boneco. Profissionalmente, fui sempre muito inquieto.A - Está a representar no Villaret, que já foi o seu teatro...RS - O meu sonho era ter um teatro meu, para fazer o que quisesse, nunca quis ser empresário. Investi tudo o que tinha no Villarett e perdi tudo. No 25 de Abril eu estava na Roménia e mal soube da revolução vim logo para Portugal. No Brasil estava a fazer grande sucesso a peça "Liberdade, Liberdade", do Millôr Fernandes, que é o maior humorista do mundo. Havia bichas infindáveis para ver a peça, que tinha o Paulo Autran no papel principal. Mandei vir a peça para cá. Tinha no elenco a Maria do Céu Guerra, o João Perry e o Sérgio Godinho. Aquilo batia em tudo que estivesse contra a liberdade, fossem os americanos ou os soviéticos. Havia bandeiras vermelhas por todos os lados, uma coisa muito bonita. Mas foi um fracasso tão grande que perdi tudo o que tinha e o próprio teatro...A - Como se explica isso, num momento em que a revolução saiu à rua?RS - A peça subiu à cena numa altura em que já se desenhava o crepúsculo da revolução. Foi a minha ruína económica.A - E o seu novo espectáculo, também no Villarett?RS - Está a correr bem. Os espectadores acompanham a minha memória de 50 anos de carreira. Há umas fotos que fazem de âncora da memória e depois eu digo o que me vem à cabeça. Os miúdos - vão imensos! - gostam porque não sabiam que as coisas antigamente eram assim.A - É um tributo a si próprio por meio século de carreira artística?RS - Este espectáculo é para percorrer o país e conhecer melhor o público. Portugal é uma maravilha, encontro pessoas fabulosas, come-se e bebe-se bem. Isto é para trabalhar mas também é para me divertir. Quero andar por aí a conhecer pessoas que tenham algo para me ensinar.A - Mas Portugal está a passar um mau bocado...RS - Pois está. Neste momento, se não fizéssemos parte da União Europeia, Portugal estava como o Uganda e nas próximas presidenciais era eleito um sargento para Belém. Mas a democracia portuguesa está amparada pelas estacas da União Europeia, é irreversível.A - Mas não há demasiado ódio à liberdade?RS - Eu tenho uma paixão imensa pela liberdade. Aliás, acho que o amor àliberdade já nasce com as pessoas e eu nasci com esse amor. Pelo que conheço dos portugueses, penso que, apesar de tudo, ainda existe uma imensa maioria que tem a paixão da liberdade e da democracia.A - Já alguma vez esteve na política?RS - Eu fui militante do Partido Socialista durante dois anos. A seguir ao 25 de Abril, entendi que era um dever cívico aderir a um partido e lutar pelo regime democrático. Participei em comícios de norte na sul de Portugal. Quando foi aprovada a Constituição e elegemos os deputados à Assembleia da República abandonei o partido. Penso que um actor não deve ter actividades partidárias. Antes quebrei essa regra porque a democracia assim o exigiu.A - A crise económica não pode pôr em causa o regime democrático?RS - Não pode, temos o dinheiro da União Europeia a proteger-nos. O fascismo é uma coisa baratucha. O ensino, a saúde, os salários, o partido único, as eleições a fingir, é tudo muito barato. A democracia fica caríssima. Nós exigimos elevados padrões na educação, na saúde, na Administração Pública, queremos salários dignos, elegemos os nossos representantes no Poder Local e na Assembleia, elegemos o presidente da República, tudo isso fica muito caro. E depois temos por aí uns senhores que adoram dinheiro, gostam de coleccionar aquela porcaria. Se não estivéssemos na União Europeia a democracia já há muito estaria em perigo.A - E a si, como é que a crise lhe bate à porta?RS - A mim, a crise económica não me afecta, porque nunca tive um projecto de fortuna, o meu projecto é de felicidade. E a tal paixão pela liberdade que sempre me acompanhou.A - Como vai a Casa do Artista?RS - É um projecto ao qual dedico grande parte do meu tempo. Agora sou o presidente da Direcção e por isso tenho de seguir de perto os seu dia a dia. Isto foi uma ideia que me assaltou desde os tempos do Brasil. Lá havia o Retiro do Artista, mas eu achava que a palavra "retiro" era muito forte e quando, em 1960, apresentei o projecto aos meus colegas, já foi como Casa Artista. A ideia andou a germinar durante muitos anos e, um dia, o Armando Cortez decidiu pô-la em prática. Durante a direcção dele eu vinha aqui todos os dias ajudá-lo. Em quatro anos mobilámos estes 12 000 metros quadrados com coisas que nos foram oferecidas! Mas quando ele começou a ficar muito doente, pediu-me para eu assumir a direcção e cá estou.A - E apoios?RS - Temos apoios públicos e de particulares. Isto só por si não anda. A factura de gás e electricidade é superior a mil e quinhentos contos por mês. As reformas dos 73 utentes são muito baixas, temos que encontrar apoios que, felizmente, não têm faltado. Ultimamente até temos doações de particulares em dinheiro e propriedades.Artur Queiroz

tags:

publicado por João Carvalho Fernandes às 10:02
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Fevereiro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28


posts recentes

CHRIS GEOFFROY - A última...

BOLIVAR LUSÍADAS PROTAGON...

ANTÓNIO MEXIA - É SÓ COIN...

PROGRESSIVIDADE FISCAL

MENINAS E MENINOS DE OURO

CÂNTICO NEGRO - JOSÉ RÉGI...

ANTÓNIO COSTA, DEMITA-SE!

DESERTIFICAÇÃO...

MONUMENTO DE HOMENAGEM AO...

O ASTÉRIX QUE SE CUIDE!

Banner Publipt
arquivos

Fevereiro 2019

Junho 2018

Abril 2018

Novembro 2017

Setembro 2017

Junho 2017

Abril 2017

Março 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Agosto 2015

Abril 2015

Março 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Setembro 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Janeiro 2004

Dezembro 2003

Novembro 2003

Outubro 2003

Setembro 2003

Agosto 2003

Julho 2003

Junho 2003

Maio 2003

Abril 2003

Março 2003

tags

todas as tags

favoritos

Dos sítios que valem a pe...

Fazer um cruzeiro: yay ou...

Hoje vou contar-vos uma h...

Boa Noite e Bom Descanso

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds