Quarta-feira, 21 de Março de 2012
ONDE ESTÁ O SR. SILVA?
Face à ocorrência reiterada de actos de terrorismo em solo português (apesar das ameaças ridículas de independência de Alberto João Jardim, ainda o é), o Presidente da República nada faz e assobia para o lado.A partir deste momento é responsável, quanto mais não seja por omissão, por actos mais graves, que fatalmente e face à impunidade vigente, vão acabar por ocorrer!- Mais um atentado contra o património da família de Gil Canha. Um irmão e também a mulher do vereador do PND ficaram com as viaturas danificadas.- Baltazar Aguiar critica o silêncio das autoridades, especialmente o do RR na região. O dirigente do PND fala em violência política na Madeira.

tags:

publicado por João Carvalho Fernandes às 11:00
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Terça-feira, 20 de Março de 2012
Sesenta años de totalitarismo en Cuba
Fulgencio Batista, con su funesto proceder, reabrió las puertas a la violencia extrema, a la vez que con su prepotencia y soberbia fue remiso a cualquier tipo de solución pacificaVia: CubaEncuentroOscar Espinosa Chepe, La Habana | 13/03/2012 fulgencio-batista-y-zaldivar_menu.jpgEl 10 de marzo se cumplieron 60 años del golpe de Estado ejecutado por el general Fulgencio Batista en 1952. En la madrugada de ese día, el complot tramado por el antiguo hombre fuerte, que de forma indirecta o directa, rigió los destinos de Cuba entre 1934 y 1944, alternando períodos de mano dura desde la fortaleza militar de Columbia con una etapa constitucionalista de 1940-44, mediante la llamada Coalición Socialista Democrática, regresó al poder por la fuerza, inaugurándose la etapa totalitaria aún vigente.El golpe se realizó semanas antes de las elecciones programadas para el 1 de junio, cuando el caudillo militar del 4 de septiembre de 1933 se postulaba sin ningunas posibilidades de éxito, aupado por el Partido de Acción Unitaria (PAU) creado por él. Todo indicaba que en esos comicios triunfaría abrumadoramente el Partido del Pueblo Cubano (Ortodoxo), con su candidato, el profesor Roberto Agramonte, hombre con credenciales intachables y el legado de Eduardo Chibás, líder de enorme popularidad, fallecido meses antes debido a lesiones de bala autoinfligidas. También aspiraba a la presidencia el ingeniero Carlos Hevia, con prestigio como persona digna, pero respaldado por las fuerzas gubernamentales del Partido Revolucionario Cubano (Auténtico). Tenía el hándicap de la frustración por la ejecutoria de los presidentes Grau San Martin y Prío Socarrás, quienes después de forjar amplias esperanzas populares de progreso, sus administraciones estuvieron signadas por altos niveles de corrupción, gansterismo y escándalos políticos, además de haber sido incapaces de llevar a cabo aspectos positivos de la Constitución de 1940, que de haberse implementado habrían hecho altamente improbable que manos ambiciosas empujaran a Cuba hacia el totalitarismo.Asimismo, los gobiernos auténticos fueron incapaces de preparar el país para afrontar las situaciones que se auguraban serían complicadas, después de un período de cierta bonanza económica. Debido a los destrozos ocasionados por la II Guerra Mundial, las instalaciones azucareras de amplias zonas de Europa y Asia habían quedado devastadas, mientras Cuba gozó de la ventaja de poseer una industria intacta, lo cual redundó en cierto progreso reflejado en amplios saldos favorables de su balanza comercial, que empezó a cambiar cuando la industria azucarera en aquellas regiones se reconstruyó.Entre las voces que alertaron al Gobierno cubano al respecto, sobresalieron los diagnósticos de una misión del Banco Interamericano de Reconstrucción y Fomento, encabezada por Francis Adams Truslow, en un informe entregado al presidente Carlos Prío Socarras, el 12 de julio de 1951; menos de un año antes del artero golpe de Estado dado por Fulgencio Batista. Al mismo tiempo Mr. Truslow había presentado una carta al mandatario cubano, donde señalaba: “La disyuntiva ante el pueblo cubano es clara. Puede aprovecharse de la presente oportunidad para comenzar la sustitución de su actual economía estática por otra dinámica, creciente y diversificada, evitando así su dependencia de un solo cultivo. Esta puede ser una larga y ardua tarea. Implicará grandes esfuerzos y algunos sacrificios de la tradición y de la comunidad. Pero podría disminuir los actuales riesgos e inestabilidades, y preparar la economía para el caso de que sobrevenga una reducción de la demanda y el precio del azúcar a medida en que se intensifique la competencia debido al aumento de la producción. El camino es claro. La misión cree que no escoger la alternativa dinámica puede traer para Cuba consecuencias de la mayor gravedad. La prosperidad bélica ha creado en Cuba nuevos niveles de vida para muchas gentes. Si su economía no puede sostener ese nivel en tiempos menos prósperos —al menos en grado razonable-sobrevendría una tirantez política. Si los líderes se han descuidado en prever esta posibilidad, la opinión pública los inculparía, y si ello ocurriera, el control podría pasar a manos subversivas y engañosas, como ha ocurrido en otros países, donde los lideres no se han dado cuenta de las corrientes de estos tiempo”.Estas proféticas palabras no fueron atendidas, y ocurrieron los funestos acontecimientos que hasta hoy padecemos. Con la acción del ambicioso general Batista, no solo se frustró la posibilidad del triunfo Ortodoxo, que en un marco democrático habría podido adecentar el país y enrumbarlo hacia cotas superiores de bienestar social, en especial a través de la implementación de la progresista Constitución de 1940, sobre todo del Artículo 90 que proscribía el latifundio, con lo cual se hubiera creado una importante capa de propietarios agrícolas, como el Apóstol señaló[1], evitándose los problemas desencadenados posteriormente. Batista, además, con su funesto proceder reabrió las puertas a la violencia extrema, con métodos represivos aplicados con suma crueldad, a la vez que con su prepotencia y soberbia fue remiso a cualquier tipo de acuerdo para facilitar una solución pacifica al callejón sin salida creado por él, dejando como única opción la lucha armada. Así empujó al pueblo cubano a seguir el camino trazado por los sectores violentos de la oposición, que aprovecharon esta coyuntura para presentarse como salvadores de la patria, con promesas de democratización y justicia social, las cuales después de asumido el poder fueron incumplidas, sustituidas por un férreo totalitarismo que ha conducido al desastre a Cuba.El 10 de marzo de 1952 constituye uno de los días más negros y aciagos de nuestra historia, al comenzar una etapa de confrontación y represión, cuyo fin todavía no se vislumbra.--------------------------------------------------------------------------------[1] “…la distribución de la propiedad, y el cambio de tierras estériles en tierras productivas, aunque lastime preocupaciones de partidos y añosos intereses tradicionales, es causa inmediata de la riqueza del país, lograble fácilmente con la creación de muchos pequeños propietarios”. “Reflexiones”, Guatemala, José Martí, Obras Completas. T. 7, pág. 167.

tags:

publicado por João Carvalho Fernandes às 23:37
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 1 de Março de 2012
A NOSSA CRISE MENTAL - FERNANDO PESSOA
FPESSOA.jpgVia: CITADORQue pensa da nossa crise? Dos seus aspectos — político, moral e intelectual? A nossa crise provém, essencialmente, do excesso de civilização dos incivilizáveis. Esta frase, como todas que envolvem uma contradição, não envolve contradição nenhuma. Eu explico. Todo o povo se compõe de uma aristocracia e de ele mesmo. Como o povo é um, esta aristocracia e este ele mesmo têm uma substância idêntica; manifestam-se, porém, diferentemente. A aristocracia manifesta-se como indivíduos, incluindo alguns indivíduos amadores; o povo revela-se como todo ele um indivíduo só. Só colectivamente é que o povo não é colectivo. O povo português é, essencialmente, cosmopolita. Nunca um verdadeiro português foi português: foi sempre tudo. Ora ser tudo em um indivíduo é ser tudo; ser tudo em uma colectividade é cada um dos indivíduos não ser nada. Quando a atmosfera da civilização é cosmopolita, como na Renascença, o português pode ser português, pode portanto ser indivíduo, pode portanto ter aristocracia. Quando a atmosfera da civilização não é cosmopolita — como no tempo entre o fim da Renascença e o princípio, em que estamos, de uma Renascença nova — o português deixa de poder respirar individualmente. Passa a ser só português. Passa a não poder ter aristocracia. Passa a não passar. (Garanto-lhe que estas frases têm uma matemática íntima). Ora um povo sem aristocracia não pode ser civilizado. A civilização, porém, não perdoa. Por isso esse povo civiliza-se com o que pode arranjar, que é o seu conjunto. E como o seu conjunto é individualmente nada, passa a ser tradicionalista e a imitar o estrangeiro, que são as duas maneiras de não ser nada. É claro que o português, com a sua tendência para ser tudo, forçosamente havia de ser nada de todas as maneiras possíveis. Foi neste vácuo de si-próprio que o português abusou de civilizar-se. Está nisto, como lhe disse, a essência da nossa crise. As nossas crises particulares procedem desta crise geral. A nossa crise política é o sermos governados por uma maioria que não há. A nossa crise moral é que desde 1580 — fim da Renascença em nós e de nós na Renascença — deixou de haver indivíduos em Portugal para haver só portugueses. Por isso mesmo acabaram os portugueses nessa ocasião. Foi então que começou o português à antiga portuguesa, que é mais moderno que o português e é o resultado de estarem interrompidos os portugueses. A nossa crise intelectual é simplesmente o não termos consciência disto. Respondi, creio, à sua pergunta. Se V. reparar bem para o que lhe disse, verá que tem um sentido. Qual, não me compete a mim dizer. Fernando Pessoa, in 'Portugal entre Passado e Futuro'

tags:

publicado por João Carvalho Fernandes às 22:30
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Fevereiro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28


posts recentes

CHRIS GEOFFROY - A última...

BOLIVAR LUSÍADAS PROTAGON...

ANTÓNIO MEXIA - É SÓ COIN...

PROGRESSIVIDADE FISCAL

MENINAS E MENINOS DE OURO

CÂNTICO NEGRO - JOSÉ RÉGI...

ANTÓNIO COSTA, DEMITA-SE!

DESERTIFICAÇÃO...

MONUMENTO DE HOMENAGEM AO...

O ASTÉRIX QUE SE CUIDE!

Banner Publipt
arquivos

Fevereiro 2019

Junho 2018

Abril 2018

Novembro 2017

Setembro 2017

Junho 2017

Abril 2017

Março 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Agosto 2015

Abril 2015

Março 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Setembro 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Janeiro 2004

Dezembro 2003

Novembro 2003

Outubro 2003

Setembro 2003

Agosto 2003

Julho 2003

Junho 2003

Maio 2003

Abril 2003

Março 2003

tags

todas as tags

favoritos

Dos sítios que valem a pe...

Fazer um cruzeiro: yay ou...

Hoje vou contar-vos uma h...

Boa Noite e Bom Descanso

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds