Segunda-feira, 29 de Setembro de 2003
A GOVERNANÇA SEM GOVERNO
Transcrevo aqui excelente artigo do Prof. José Adelino Maltez, publicado hoje no Diário Digital :Dizem os manuais clássicos que existe crise política quando ninguém consegue responder com clarividência à pergunta sobre "quem manda?" ou "quem governa?".Com efeito, neste Estado-Espectáculo a que chegámos, quem parece, e aparece, como aquele que governa, talvez não seja, afinal, quem efectivamente comanda os fios da trama do poder infra-estrutural. Pelo menos, aqui e agora, há uma espécie de governança sem governo, gerada por um sistema de aparente pilotagem automática, onde até o patente vazio de certos ministros não tem impedido o prosseguimento de efectivas políticas que, às vezes, nem sequer correspondem ao que solenemente se proclamou num programa de governo.Não é, pois, de estranhar que os donos do situacionismo, desde os hierarcas formais aos comentadores oficiosos, se comecem a mobilizar numa espécie de santa aliança defensiva, que, nome do poder pelo poder, finge secundar os argumentos da oposição, durante o fim de semana, para, nos dias de trabalho, os contradizer pela acção.A "ditadura do statu quo" deste "Estado a que chegámos" até começa a ensaiar a divisão entre os bons e os maus portugueses, à boa maneira dos "talibãs" e do "puritanismo". Veja-se, por exemplo, esse máximo do politicamente correcto que é a verbosidade do anti-politicamente correcto, principalmente quanto à questão europeia.Já começou a desencadear-se o falso maniqueísmo do que nos querem dividir entre os "federalistas" e os "nacionalistas" ou entre os "europeístas" e os "anti-europeístas", como se nestas questões só houvesse filmes a preto e branco, com radicais "euro-cépticos" e situacionistas "euro-calmos" que tentam assumir o monopólio do "euro-esclarecimento".Ora ninguém deixa de ser europeísta quando concebe a Europa como uma democracia de muitas democracias e não como uma super-estrutura comissária, directamente irresponsável perante os povos, numa espécie de sacro-império burocrático em regime de despotismo iluminado, mesmo que com boas intenções construtivistas. Ninguém deixa de acreditar no projecto europeu quando rejeita a hipótese de super-congresso multitudinário sem respeito pelas democracias vivas e directas dos vários cantões nacionais.Por mim, como cidadão de uma nação-Estado que, por acaso é a mais permanecente de todas as unidades políticas da Europa, só aceito participar nas oscilações da balança da Europa enquanto o modelo de organização política dos textos fundamentais da União Europeia me garantir a conservação das liberdades nacionais. A Europa em que eu acredito, a Europa que leio nas entrelinhas dos pais- fundadores, é uma Europa que foi feita contra os erros políticos que levaram ao permanente confronto de impérios europeus. Daqueles impérios europeus que sempre foram uma degenerescência da política. O regresso ao império do nacionalismo europeu tem que ser intelectualmente desconstruído e popularmente rejeitado, para que não voltemos a ser docemente invadidos pelos agentes duplos, que efectivamente servem os desígnios de Bonaparte, Metternich ou Bismarck.

tags:

publicado por João Carvalho Fernandes às 19:06
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Outubro 2020
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


posts recentes

Testamento - Virgilio Piñ...

VISITA VIRTUAL AO TÚMULO ...

CHRIS GEOFFROY - A última...

BOLIVAR LUSÍADAS PROTAGON...

ANTÓNIO MEXIA - É SÓ COIN...

PROGRESSIVIDADE FISCAL

MENINAS E MENINOS DE OURO

CÂNTICO NEGRO - JOSÉ RÉGI...

ANTÓNIO COSTA, DEMITA-SE!

DESERTIFICAÇÃO...

Banner Publipt
arquivos

Outubro 2020

Maio 2020

Fevereiro 2019

Junho 2018

Abril 2018

Novembro 2017

Setembro 2017

Junho 2017

Abril 2017

Março 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Agosto 2015

Abril 2015

Março 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Setembro 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Janeiro 2004

Dezembro 2003

Novembro 2003

Outubro 2003

Setembro 2003

Agosto 2003

Julho 2003

Junho 2003

Maio 2003

Abril 2003

Março 2003

tags

todas as tags

favoritos

Dos sítios que valem a pe...

Fazer um cruzeiro: yay ou...

Hoje vou contar-vos uma h...

Boa Noite e Bom Descanso

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds
Em destaque no SAPO Blogs
pub