Terça-feira, 27 de Abril de 2004
A LUTA CONTINUA...
Com a condecoração atribuída a Isabel do Carmo pelo Presidente da República, atinge-se a institucionalização final da campanha que ao longo do tempo levou ao branqueamento de toda uma série de assassinatos por organizações de extrema-esquerda como as FUP e PRP-BR. Que se perdoe o que aconteceu, já é difícil, mas conceder condecorações...É lamentável!E leiam estas maravilhas, do actual PRP-BR e comparem aquilo que é com o que foi - as diferenças serão muito poucas:O Partido Revolucionário do Proletariado - Bases pela Revolução (assim como o seu antecedor, o PRP-Brigadas Revolucionárias) não nasceu por acaso ou por um acto de voluntarismo dum punhado de militantes. Nasceu porque estavam (e estão) criadas as condições para que se pusessem na prática os problemas da violência revolucionária e da revolução socialista. A criação das Brigadas Revolucionárias e do PRP foi um acto de violência. Rompendo com um determinado passado, um grupo de militantes levou até ao fim da sua determinação de fazer na prática aquilo que preconizava por palavras. Este acto de concretização foi em si a verdadeira rotura. .....................................................................................................A luta frontal contra a burguesia, o confronto com o reformismo, o confronto com o conformismo, o confronto com a social-democracia, dão-nos hoje garantias de que os militantes do PRP-BR continuam a ser revolucionários e a nossa organização resguarda-se de oportunistas. Sabemos que se aproximam os dias do confronto final com a burguesia. E hoje, como no tempo da clandestinidade, a cada militante e ao Partido no todo por-se-á o problema de não iludir as questões fundamentais e de, no momento decisivo, ser capaz de dar a vida pela classe. Assumir a luta pelo triunfo do proletariado do mundo inteiro é antes de tudo, para cada um dos militantes, lutar pela Revolução Socialista aqui em Portugal. Descobrir e rebentar a base da NATO da Fonte da Telha tantas vezes quanto necessário, recomeçando sempre a luta contra o Imperialismo, combatendo a sua garra aqui, para que desapareça de todo da face da terra! Viva a sociedade comunista! ......................................................................................................PARTIDO REVOLUCIONÁRIO DO PROLETARIADOBASES PELA REVOLUÇÃOPlenário do PRP-BR Realizou-se na Marinha Grande nos dias 4 e 5 de Dezembro de 2003 um plenário de responsáveis do PRP-BR, representantes de Direcções Locais e Regionais e de Sectores, com a presença de alguns convidados. O PARTIDO1.-Foi comunicado ao Plenário de responsáveis o resultado dos trabalhos da 1ª parte do Inquérito mandado instaurar pela Direcção do Partido. Nesse resultado se espelhou o aparecimento de sabotagem anti-PRP-BR desenvolvida internamente por alguns grupos de sabotadores a mando e com ligações detectadas ao exterior, como forma de fazerem desacreditar o Partido entre os trabalhadores portugueses, e face ao que foram tomadas as medidas necessárias. Este ataque dirigido contra o PRP-BR a partir do seu próprio seio foi por nós entendido e interpretado como parte integrante de outros ataques de tipo policial e jurídico que a reacção, o Poder burguês e o próprio reformismo desencadeiam contra o Partido, o que, se reflecte a importância que assume o projecto revolucionário consubstanciado no PRP -BR, é também reflexo do agudizar das contradições do processo actual de recessão e de grave crise económica e da consequente radicalização da luta de classes em Portugal. O Plenário ratificou as decisões da Direcção sobre o assunto por maioria, com 88 votos a favor, 14 abstenções e 1 voto contra. 2.-É de salientar que os ataques desferidos contra o PRP-BR visam as duas frentes que mais preocupam o inimigo: os meios de expressão ideológica revolucionária e tudo o mais quanto possa ser supostamente encarado com ligação a questões de violência e de acção revolucionária. As medidas tomadas não constaram nem tiveram em conta uma distinção entre o velho PRP (e a sua separação orgânica das Brigadas Revolucionárias) e a refundação do novo PRP-Bases pela Revolução, nelas se encontra a explicação para o insucesso da investida neste terreno contra o PRP-BR que, e desde então, ainda não prosseguiu no trabalho político de massas normal em qualquer partido revolucionário. 3.-Este ataque e outros como o aparecimento dos mesmos boatos em locais muito bem definidos e as provocações baseadas em informação tratada revelam bem que por detrás das pessoas directamente intervenientes no ataque ao PRP-BR esteve, ou estará uma ou várias polícias políticas devidamente organizadas. 4.-O Plenário, consciente de que o objectivo visado pelo inimigo é a destruição do PRP-BR e das formas mais avançadas de organização do proletariado, e analisando friamente a situação política actual e a sua evolução, considerou a impossibilidade dessa mesma destruição, na medida em que, em condições bem mais favoráveis ao inimigo, o todo poderoso aparelho fascista de antes do 25 de Abril foi incapaz de o conseguir. Este refundado Partido já viveu na clandestinidade e encontrou sempre formas de luta contra o inimigo, que abandonou quando o 25 de Abril permitiu a sua legalização. O avanço do inimigo para uma repressão que se aproxima de formas fascistas violentas, aproximar-nos-á também das anteriores formas de luta. A clandestinização tem duas faces tanto para nós como para o inimigo de classe: perde-se a possibilidade de actuação legal como se exige a um Estado de direito democrático, e ganha-se a possibilidade de intervenção e de defesa. Nós não queremos ser uma esquerda marginal. Esperemos que não se chegue a tal, contudo o Partido sempre esteve disposto a pôr o seu destino nas mãos dos trabalhadores portugueses. A SITUAÇÃO POLÍTICA E TÁCTICA 5.-Foram analisadas as consequências orgânicas do envolvimento do PRP-BR nas lutas dos trabalhadores ( manifestações, greves, piquetes, ocupações ) e comparado o nosso projecto Unitário, de organização para a Unidade Revolucionária da Esquerda e para o Confronto com a Burguesia, com o projecto de outras organizações que desse trabalho Unitário, apenas esperam retirar o reforço do seu partido. E foi ainda analisado pelo Partido que no processo de agudização das lutas de classes e de crise acelerada em que se vive há necessidade duma clarificação orgânica e é por isso necessário fazer as rupturas que se imponham deixando no caminho todos os indivíduos ou organizações que efectivamente não optaram pela Revolução Socialista. 6.-Analisaram-se os vários dados que demonstram o avanço das forças de direita dentro da sociedade portuguesa em geral, que, nos últimos meses e particularmente após essa derrocada do PS e a vitória eleitoral do PSD e PP, atingiu um tom provocatório da parte dos líderes da direita no Poder, o que pressupõe que há uma corrida acelerada da direita para a efectivação de se perpetuarem no Poder como lacaios do Imperialismo, ou de um golpe fascista. Mas simultaneamente , observa-se muita agitação nas ruas , e inclusive alguma reacção nos quartéis militares e policiais contra o avanço da política da Direita. E para além desta reacção generalizada nos quartéis existe um sentimento anti-fascista entre os oficiais e soldados, que atinge zonas e sectores que há algum tempo atrás ainda combatiam a Esquerda e que hoje reconhecem o perigo dos fascismo. Esta corrente anti-fascista encontra a sua expressão nalguns oficiais, que hoje se vêem obrigados a lutar e enfrentar a extrema direita no governo. Estes dados levam-nos a concluir da necessidade e viabilidade de uma larga frente anti-fascista. Para que o proletariado possa conduzir o processo, é necessário que encontre formas de organização revolucionária para a Tomada do Poder, as quais têm de abarcar não só a classe operária das zonas mais avançadas da luta, mas também as massas operárias mais desfavorecidas. Ter-se-á também que encontrar outras formas de organização para o campesinato pobre, aliado imprescindível do proletariado, bem como um programa por de mais revolucionário que, unificando estas forças, abra uma alternativa revolucionária viável ao Poder actual. 7.-A análise das lutas concretas dos trabalhadores (e que no passado atingiram relevo especial nas zonas da Reforma Agrária, e em sectores como os têxteis, construção civil, e naval, etc.), levam o PRP-BR a salientar a necessidade de uma prespectivação política e orgânica revolucionária dessas lutas capaz de permitirem às classes trabalhadoras a passagem da defensiva à ofensiva. Salientou o Plenário o significado do ataque exterminador à Reforma Agrária através do qual a reação procura minar e penetrar em zonas onde a esquerda tem forte implantação aproveitando-se para isso das falhas de organização e de prespectivas de que é máximo responsável o reformismo. O B.E.8.-A degenerescência do processo do Bloco de Esquerda e que culminaria no desvio dos seus partidos integrantes à social democracia, levou o PRP-BR a não aceitar integrar-se nele. Porque, e primeiro que tudo: o B.E. ao entrar no jogo burguês, recusou, traiu na prática, as mudanças radicais que se impunham fazer na sociedade em Portugal. Deixou de ser uma alternativa revolucionária dos trabalhadores, passando agora a ser apenas, um apêndice ou um grupo satélite do PS (com quem aliás tem tentado uma colagem eleitoralista) e do reformismo (do PCP). Sendo o BE maioritariamente constituído por jovens, colarinhos brancos e intelectuais, que estão ligados a certos sectores marginais e preconceituosos da sociedade portuguesa, deixaram de acreditar nos interesses e nas conquistas da grande maioria da nossa população, ou seja:dos trabalhadores porugueses. E assim o seu desvio à direita, levou-os apenas a empenharem-se e interessarem-se pela defesa dos interesses de certas minorias sociais existentes na sociedade portuguesa, e de facto, renunciando deste modo à luta dos trabalhadores portugueses. 9.-O PRP-BR reafirma a necessidade de aprofundar e desenvolver o processo unitário consubstanciado numa nova Frente de Unidade Revolucionária a partir de dissidências do BE onde tal trabalho é possível e desejado, quer criando-se uma Frente Ampla de Esquerda em Portugal numa perspectiva revolucionária, quer viabilizando o nosso novo projecto revolucionário que assenta na clarificação da situação política portuguesa e na radicalização da luta de classes, exigindo uma cada vez maior ligação às lutas concretas dos trabalhadores dentro duma perspectiva fundamentalmente estratégica da Tomada do Poder pelas classes Trabalhadoras, e um aprofundamento do debate ideológico e o seu empenhamento militante que a disciplina revolucionária impõe. 10.-A perspectiva da criação de uma nova Frente de Unidade Revolucionária não pode deixar de considerar a necessidade da conjugação orgânica e política das 4 componentes julgadas fundamentais para um processo insurreicional vitorioso. Essas 4 componentes (os partidos revolucionários, a FUR, as Organizações Populares de Base e as Comissões de Trabalhadores, e finalmente os militares revolucionários dentro das Forças Armadas) não são uma invenção subjectiva do PRP-BR, são a realidade que é preciso transformar revolucionarmente. 11.-O Plenário também aprovou por unanimidade uma data definitiva para a realização do próximo Congresso do Partido. Assim, este terá lugar em Julho de 2004, quaisquer que sejam os condicionalismos políticos da altura, e de acordo com estes. Este comunicado foi aprovado por todos os responsáveis presentes no plenário, e com apenas 1 abstenção e nenhum voto contra.

tags:

publicado por João Carvalho Fernandes às 19:07
link do post | comentar | favorito

10 comentários:
De Moreira a 6 de Janeiro de 2005 às 20:31
SE O NOSSO INIMIGO NOS ATACA É PORQUE ESTAMOS NO CAMINHO CERTO


De JJCRUZ a 1 de Maio de 2004 às 02:48
Vai bomba!!!!!!!!! Era tão boaziiiiiiiiiiinhaaaaaaaaa!!! esta senhora!!!!... e agora, tão Burguesa!!

Enfim, coisas da Liberdade.


De caznocrat a 30 de Abril de 2004 às 21:55
Mais valia ter posto o link:

http://prpbr.no.sapo.pt/

Divirtam-se.


De João Carvalho Fernandes a 30 de Abril de 2004 às 09:03
Uma coisa é achar que há lugar para todos os democratas, sejam de esquerda ou de direita, outra completamente diferente é ter condescendência para com os que defendem ou aplicam actos de terrorismo em plena democracia!


De re21 a 30 de Abril de 2004 às 00:29
Este parece contradizer a sua militância PND,afinal este post coloca do seu ponto de vista a defesa de "nós" somos os bons, os "outros" são os maus,aquilo a que eu chamo uma visão umbiguista da sociedade.Daquilo que o PND pretende ser e defendido por si nada está reflectido no seu post,posso estar errado mas se o PND vai por essa via só dá razão a quem o apelida de extrema -direita...


De ALUENA a 29 de Abril de 2004 às 11:29
LAMENTÁVEL e REVOLTANTE!...
Abraço
ALUENA


De João a 28 de Abril de 2004 às 12:21
Acredito. Abraço.


De João Carvalho Fernandes a 28 de Abril de 2004 às 09:48
Caro João,

Se tivessem sido condecorados também estariam a ser aqui atacados...

Abraço


De Planície Heróica a 27 de Abril de 2004 às 23:44
Massas proletárias avançadas?
Ena pai!...

Um abraço,
Francisco Nunes


De João a 27 de Abril de 2004 às 22:43
Ok. De acordo. Fale-nos agora um pouco do ELP e do MDLP e da sua ligação ao CDS. Please... Abraço.


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Fevereiro 2019
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28


posts recentes

CHRIS GEOFFROY - A última...

BOLIVAR LUSÍADAS PROTAGON...

ANTÓNIO MEXIA - É SÓ COIN...

PROGRESSIVIDADE FISCAL

MENINAS E MENINOS DE OURO

CÂNTICO NEGRO - JOSÉ RÉGI...

ANTÓNIO COSTA, DEMITA-SE!

DESERTIFICAÇÃO...

MONUMENTO DE HOMENAGEM AO...

O ASTÉRIX QUE SE CUIDE!

Banner Publipt
arquivos

Fevereiro 2019

Junho 2018

Abril 2018

Novembro 2017

Setembro 2017

Junho 2017

Abril 2017

Março 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Agosto 2015

Abril 2015

Março 2015

Janeiro 2015

Novembro 2014

Setembro 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Janeiro 2004

Dezembro 2003

Novembro 2003

Outubro 2003

Setembro 2003

Agosto 2003

Julho 2003

Junho 2003

Maio 2003

Abril 2003

Março 2003

tags

todas as tags

favoritos

Dos sítios que valem a pe...

Fazer um cruzeiro: yay ou...

Hoje vou contar-vos uma h...

Boa Noite e Bom Descanso

links
Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds